Exposições

Vasco Araújo inaugura nova exposição com performance inédita no MAAT

279

A performance visa questionar a ideia de liberdade do ser humano e combina uma travessia de barco no Tejo com uma marcha em que se cantará o Coro dos Escravos da ópera "Nabucco", de Verdi.

As pessoas interessadas devem inscrever-se através de um email e terão de se vestir de branco para entrar no grupo de visitantes

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Uma nova exposição do artista plástico Vasco Araújo vai ser inaugurada a 4 de junho, com uma performance inédita, no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa.

De acordo com o museu, a performance combina uma travessia pelo Tejo de barco, a partir da Estação Fluvial de Belém, com uma marcha pacífica em que se cantará o “Coro dos Escravos” da ópera “Nabucco”, de Verdi.

Intitulada “Libertas – Da condição de pessoa livre”, a performance questiona a ideia de liberdade do ser humano, de quem tem a liberdade de falar, e das fronteiras que existem constantemente entre sociedades, classes, grupos e indivíduos. Faz parte da exposição “Momento à Parte”.

Vasco Araújo lançou um open call público a todas as pessoas interessadas, que residam ou não em Lisboa e arredores, às quais propõe uma performance onde cada um venha juntar-se ao grupo e cantar o “Coro dos Escravos” da ópera “Nabucco”, de Verdi, na sua versão original, em italiano. Este trecho musical constitui até hoje um dos hinos contra a opressão, visto que, a Lombardia, em 1842, província italiana do império austro-húngaro, aspirava à liberdade, recorda um texto sobre a exposição/performance.

O grupo irá desembarcar em Belém e realizar o percurso a pé até ao MAAT, numa marcha de protesto, pacífica, a cantar. Cada participante terá de ir vestido totalmente de branco, com as suas próprias roupas.

De acordo com o MAAT, todas as pessoas interessadas podem participar, inscrevendo-se até ao dia 24 de maio, sexta-feira, através do correio eletrónico.

[Notícia atualizada às 20h49, com a correção do nome da exposição e da performance.]

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)