Rádio Observador

CMVM

Vice-presidente da CMVM Filomena Oliveira demite-se do cargo

É a segunda baixa na equipa de Gabriela Figueiredo Dias, em pouco mais de um ano, depois da saída de Afonso Silva.

LUSA

A vice-presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), Filomena Oliveira, apresentou a demissão e vai sair da administração do regulador do mercado de capitais português, liderada por Gabriela Figueiredo Dias, confirmou ao Observador fonte oficial da CMVM.

Com a saída de Filomena Oliveira, além da presidente Gabriela Figueiredo Dias permanecem na equipa João Gião, José Miguel Almeida e Rui Pinto.

Contactada pelo Observador, fonte oficial do supervisor confirmou que “Filomena Oliveira apresentou a sua demissão do cargo de vice-Presidente ao Ministro das Finanças”, sublinhando que “o processo de substituição correrá os seus trâmites normais”, sem dar mais pormenores quanto às razões da saída.

Numa mensagem enviada aos colegas, Filomena Oliveira diz que a saída tem “subjacentes razões de cunho sobretudo pessoal, inspiradas no mesmo espírito de serviço público e de compromisso com a comunidade e a sociedade civil que me motivaram a aceitar o convite que o sr. ministro há cerca de três anos me dirigiu”.

Em fevereiro de 2018, Afonso Silva saiu do cargo de vogal de Gabriela Figueiredo Dias alegando “motivos de natureza pessoal”. Afonso Silva tinha a responsabilidade de desenvolver as áreas de planeamento estratégico, organização interna, tecnologia e gestão de informação. O Ministério das Finanças escolheria José Miguel Almeida para o seu lugar.

Filomena Oliveira é licenciada em Economia pela Universidade Nova de Lisboa. Foi presidente dos Conselhos de Administração da Caixagest – Caixa Gestão de Ativos, da FUNDGER – Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, S. A., da CGD Pensões e da Comissão Executiva da Caixa Gestão de Activos, desde abril de 2015 até novembro de 2016.

Segundo a biografia que consta no site da CMVM, entrou no Grupo Caixa Geral de Depósitos em 1998, desempenhando cargos dirigentes na Direção de Mercados Financeiros, na Direção de Negócio Internacional e no Gabinete de Investor Relations. Foi Diretora-Geral Adjunta da Sucursal de França e Administradora não Executiva do Banco Caixa Geral Espanha e da CGD Finance, coordenadora da área de dívida do IGCP entre 1996 e 1998, subdiretora-geral e assessora da Direção-Geral do Tesouro (DGT) entre 1992 e 1996, e quadro do Banco de Portugal desde 1985.

Filomena Oliveira participou, também, nos trabalhos de obtenção de notação financeira da República Portuguesa em 1993. Participou na montagem de operações da República Portuguesa em mercados de capitais e nas emissões de dívida em moeda estrangeira realizadas entre 1993 e 1998. Coordenou o processo de redenominação para euros da dívida portuguesa emitida em escudos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)