Música

Encontrados três testamentos de Aretha Franklin que estavam escondidos na sua casa

Foram descobertos três testamentos de Aretha Franklin na sua própria casa. Um deles, de 2014, estava debaixo de almofadas de um sofá e os outros dois, de 2010, dentro de um armário.

Franklin morreu a 16 de agosto, aos 76 anos. Venceu 18 prémios Grammy, foi a primeira mulher a entrar no Rock and Roll Hall of Fame

Keystone/Getty Images

Meses depois da morte da Aretha Franklin, foram agora encontrados três testamentos escondidos na casa da cantora, avança a BBC.

Dois dos testamentos são de 2010 e foram localizados num armário que estava trancado. O outro, mais recente, é datado de março de 2014 e estava escondido por baixo das almofadas do sofá da sala de estar, segundo o advogado de Franklin.

Em agosto do ano passado, quando Franklin morreu de cancro do pâncreas, os seus familiares disseram que Aretha não teria deixado nenhum testamento.

Apesar de a letra do testamento ser muito difícil de decifrar e as páginas terem palavras riscadas e frases escritas nas margens, David Bennett, que foi advogado de Franklin por mais de 40 anos, disse a um juiz que não tinha a certeza se estes seriam legais sob a lei de Michigan.

O advogado acrescentou que os testamentos foram partilhados com os quatro filhos de Franklin mas que não chegaram a um acordo sobre se algum deles deveria ser considerado válido. Disse ainda que dois dos seus filhos se opuseram ao testamento. Está marcada uma audiência para 12 de junho.

Franklin morreu a 16 de agosto, aos 76 anos. Venceu 18 prémios Grammy, foi a primeira mulher a entrar no Rock and Roll Hall of Fame, e vendeu mais de 75 milhões de discos.

Aretha Franklin foi uma das vocalistas mais famosas dos anos 60 e 70. Participou nas tomadas de posse de presidentes como Bill Clinton e Barack Obama. Teve ainda oportunidade de cantar com artistas como Stevie Wonder, James Taylor ou até os Backstreet Boys.

Foi recentemente honrada com um Prémio póstumo “Pulitzer”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)