Venezuela

Como o amigo de infância de Juan Guaidó fugiu para Espanha

Federico Pérez está fugido da Venezuela desde março. Esteve seis dias escondido num apartamentos, uma noite num avião e cruzou a fronteira a pé. Agora em Madrid, acredita na vitória de Juan Guaidó.

O autoproclamado Presidente interino Juan Guaidó

AFP/Getty Images

Federico Pérez andou com o autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, na escola. São amigos de infância e antigos colegas de voleibol. A ligação é, por isso, emocional. Pérez nem sequer faz parte do Vontade Popular, o partido da oposição a Nicolás Maduro a que Guaidó pertence. Mas isso não o impediu de fazer trabalho político a favor de Guaidó, de tal forma que teve de fugir do país para evitar a perseguição dos serviços secretos venezuelanos.

A sua história é agora revelada pelo El Mundo, órgão de comunicação a quem Pérez deu a sua primeira entrevista. O venezuelano de 35 anos acompanha a partir de Madrid o que se passa no seu país, mas não perde a esperança em Guaidó. “Vejo um Maduro derrotado, que não pode andar nas ruas de Caracas como faz o Juan. E vejo filas enormes para se conseguir gasolina num país petrolífero. É um questão de tempo. Creio firmemente no Juan e vou com ele até ao fim”, afirmou o ativista ao jornal espanhol.

Pérez foi alvo de uma operação do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin) e das forças especiais da Polícia Nacional Bolivariana (FAES) em finais de março. Os arredores do prédio onde vivia com a família em Carabaleda começaram a ser ocupados por agentes destas forças. Foi então que Pérez percebeu que tinha de reagir: “Enviei a minha mulher, o meu filho (que faz um ano no domingo que vem) e a minha sogra para um refúgio que tinha estabelecido previamente. Eles também invadiram o hotel Paseo, que na altura funcionava como quartel-geral para nós, mas a minha equipa já tinha saído de lá.”

Estive seis dias escondido num apartamento de segurança, sem sair, ‘fechado na concha’, como dizemos na Venezuela. À espera que a minha família saísse do país para poder estar mais tranquilo”, explicou o ativista venezuelano.

Sete dias depois, foi levado para um aeroporto privado em Caracas. Passou a noite dentro de um avião e levantou voo na manhã seguinte para um local perto da fronteira. Aí chegado, fugiu a pé. “Consegui evitar os controlos fronteiriços graças a uns amigos importantes da Colômbia, que ajudam sempre”, resumiu Pérez.

Agora a viver com a família na capital espanhola, o amigo de infância de Guaidó continua a acompanhar o que se passa na política do seu país, embora esteja mais removido da ação. Mas mantém-se firme de que em breve poderá voltar a contribuir para ajudar o autoproclamado Presidente interino, que não conseguiu ainda afastar Maduro, como se tinha proposto. “O destino dos que enfrentam Maduro não é o exílio”, assegura Pérez. “Estou aqui porque tenho dupla nacionalidade, mas o meu destino real é acabar com o regime.”

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)