Rádio Observador

Brexit

Líder dos Comuns Andrea Leadsom demite-se do governo de Theresa May

Andrea Leadsom abandonou o governo de Theresa May, afirmando que não acredita que o executivo consiga cumprir o compromisso de concretizar o Brexit.

ANDY RAIN/EPA

A líder da Câmara dos Comuns, equivalente a ministra dos Assuntos Parlamentares, Andrea Leadsom, demitiu-se do governo britânico, dizendo que já não acredita que a estratégia do executivo de Theresa May vai resultar no Brexit. A demissão de Leadsom surge na sequência de fortes criticas dos deputados conservadores sobre o plano de May para o Brexit.

Vários ministros do governo de May afirmaram à BBC que a primeiro-ministra já não tem condições para ficar. “É o fim da linha”, disseram à cadeia britânica.

Leadsom tinha sido candidata à liderança dos Tories mas afastou-se da corrida, abrindo caminho a May como líder do executivo. A demissão da líder da Câmara dos Comuns é a 36.ª de um ministro sob a liderança de Theresa May – 21 dos quais por causa do Brexit – e surge um dia antes de o Reino Unido votar nas eleições europeias.

A saída de Leadsom também surge no mesmo dia em que a primeira-ministra disse que apresentaria uma nova proposta de saída da União Europeia, para a qual ela espera finalmente conseguir aprovação do Parlamento.

Este acordo inclui a possibilidade de o documento ser colocado a votação num segundo referendo, deixando essa decisão para os deputados da Câmara dos Comuns.

“Reconheço o forte e genuíno sentimento em toda a Câmara dos Representantes sobre esta matéria. O Governo irá, por isso, incluir na proposta de lei do acordo de saída uma exigência para que seja votada a possibilidade de um segundo referendo. Isto deve acontecer antes de o próprio acordo ser ratificado”, disse Theresa May esta tarde.

No discurso desta tarde, a primeira-ministra sublinhou que não concorda com a realização de um segundo referendo, mas está disposta a ceder nesse aspeto para que os deputados façam a sua escolha. “Para aqueles deputados que querem um segundo referendo confirmatório sobre este acordo: vocês precisam de um acordo e, portanto, deste acordo de saída para que ele aconteça”, referiu a primeira-ministra.

Leadsom enumerou as quatro razões que levaram à sua demissão

Numa carta enviada esta quarta-feira a Theresa May, Andrea Leadsom defende as razões pelas quais decidiu deixar o governo.

“Não acredito que continuemos a ser um Reino Unido totalmente soberano com o acordo proposto”, começa por dizer. Continua, lembrando que sempre alertou para os “perigos divisórios” que um segundo referendo traria. “Não apoio a facilidade com que o governo concedeu este acordo”, explica, referindo ainda que o segundo referendo contribuirá para prejudicar e não fortalecer a União Europeia.

Andrea Leadsom oferece ainda mais duas razões. Fala num “esgotamento do governo”. Este esgotamento, defende a ministra, contribuiu para a falta de escrutínio de leis e propostas relacionadas com o Brexit e falta de aprovação adequada dos deputados. Por último, Leadsom refere ainda que a oposição entre os deputados dentro do executivo contribuiu para esse mesmo “esgotamento”.

A agora ex-líder da Câmara dos Comuns termina a sua carta apelando a May para que tome as “decisões certas para o interesse do país, do governo e do partido conservador”.

Downing Street já reagiu à demissão

O governo britânico respondeu à demissão da ministra através de um comunicado.

Andrea Leadsom serviu o governo com distinção e louvor e a primeira-ministra está grata por todo o seu trabalho. Estamos tristes por (Leadsom) ter optado por se demitir”, refere o comunicado, emitido esta quarta-feira por um porta-voz do número 10 de Downing Street, a residência oficial da primeira-ministra May.

A mesma fonte refere que Theresa May “continua focada em conseguir o Brexit que as pessoas votaram”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)