O famoso artista de rua Banksy teve uma aparição surpresa na Bienal de Veneza, a mostra de arte que ocorre na cidade italiana desde 1895. Banksy montou uma banca onde exibiu um conjunto de quadros que formavam a imagem de um grande navio atracado nas águas de Veneza e foi expulso pela polícia por não ter licença.

O artista, cuja identidade é desconhecida, publicou um vídeo na sua conta de Instagram que mostra um homem a instalar uma banca de quadros na Piazza de San Marco, uma das praças mais conhecidas de Itália. A pintura revela um enorme navio no canal de Veneza, rodeado de homens em gôndolas quase a caírem à água. A obra critica os problemas que grandes navios causam à cidade ao atracarem nas docas e a sobre-exploração do turismo, explica a BBC.

“A montar a minha banca na Bienal de Veneza. Apesar de ser o maior e mais prestigiado evento de arte no mundo, por algum motivo nunca fui convidado”, escreve Bansky no Instagram.

O vídeo mostra pessoas a passarem pela obra, denominada “Veneza a Óleo”, sem no entanto lhe dar muita importância. Ao lado dos quadros, a figura esconde-se atrás de um jornal e tem a companhia de um gato. Por fim, surge a polícia. O vídeo mostra agentes a falarem com o homem, cuja cara nunca é revelada. “Se não tem autorização para estar aqui, tem de ir embora”, ouve-se um dos polícias a dizer. No fim, o homem carrega os quadros e abandona o local enquanto, por trás, é possível ver um navio bastante semelhante ao retratado nas pinturas.

Mas esta não foi a primeira ou a única intervenção de Banksy em Veneza. Foi recentemente descoberto um mural do artista numa parede da cidade. A pintura mostra um rapaz a segurar uma tocha cor de rosa, numa crítica à recente crise de refugiados, refere o Artnet.

O mural que Bansky pintou este mês em Veneza criticando a crise dos refugiados

O artista de rua, que será inglês, atua geralmente em espaços públicos e é conhecido por pintar paredes de edifícios. O estilo de Bansky é facilmente reconhecido e a sua arte transporta habitualmente mensagens e críticas políticas ou sociais.

A Bienal arrancou a 11 de maio e termina a 24 de novembro.