O presidente de um pequeno banco em Chicago, nos EUA, foi acusado de ter aprovado milhões de dólares em empréstimos ao antigo diretor de campanha de Donald Trump, Paul Manafort, numa tentativa de obter um cargo alto na administração Trump, escreve o The New York Times.

Stephen M. Calk, de 54 anos, foi indiciado esta quinta-feira em Manhattan, com os procuradores a afirmarem que o banqueiro do Federal Savings Bank forçou aquela instituição a dar 16 milhões de dólares em empréstimos a Paul Manafort em troca de uma alta posição na administração do atual presidente dos EUA, em concreto o cargo de Secretário do Tesouro, de acordo com a acusação. M. Calk nunca chegou contudo a assumir tal cargo ou qualquer outro.

Uma fonte conhecedora do processo disse ao The New York Times que o banqueiro entregou-se às autoridades federais esta quinta-feira de manhã, dia 23 de maio, e é esperado aparecer no Tribunal Distrital dos EUA esta tarde. Stephen M. Calk estava a ser investigado há mais de um ano num caso iniciado por procuradores federais em Manhattan.

O banqueiro enfrenta uma acusação de suborno de instituição financeira e, se for condenado, a pena prisão pode ir até 30 anos, ainda que seja muito provável que receba uma pena menor, escreve o jornal já citado.