Índia

Eleições na Índia. Modi reforça maioria no parlamento com vitória em mais 21 círculos eleitorais

Até ao momento, Modi vence a contagem em 300 dos 543 círculos eleitorais, um resultado que supera os 272 exigidos para se alcançar uma maioria. Rahul Gandhi domina em 55.

As eleições tiveram início em 11 de abril, e foram vistas como um referendo a Modi, cujas reformas económicas não tiveram grande êxito, mas muito popular no país

Getty Images

Autores
  • Agência Lusa

Os resultados das eleições legislativas na Índia apontam, sem surpresas, para uma vitória clara do primeiro ministro Narendra Modi e de seu partido nacionalista hindu, Bharatiya Janata. Até ao momento, Modi lidera a contagem em 303 dos 543 círculos eleitorais, um resultado que supera os 272 exigidos para se alcançar uma maioria e a sua eleição em 2014. Modi conquistou, para já, mais 21 círculos eleitorais do que nas últimas eleições.

Há mais de dois mil partidos registados na Índia e entre os principais que concorrem neste sufrágio. Além do BJP, no poder, está o Indian National Congress (conhecido como Partido do Congresso), liderado por Rahul Gandhi que, até ao momento, dominava em 53, de acordo com o site da comissão eleitoral indiana. A câmara baixa do Parlamento indiano conta 542 lugares, sendo que para formar governo um partido ou coligação precisa de 272 assentos.

Com cerca de 1,3 mil milhões de habitantes, 29 Estados e sete territórios, a maior democracia do mundo conclui um processo para o qual foram ativadas um milhão de assembleias eleitorais, 100.000 a mais do que nas eleições de 2014. O número de eleitores também tem crescido ao longo dos últimos cinco anos, passando de 814 milhões para 900 milhões, o que representa a inclusão de 86 milhões de jovens que puderam votar pela primeira vez, de acordo com a ECI.

A contagem dos votos arrancou às 8 horas, depois de um escrutínio organizado em sete fases. Durante seis semanas, entre abril e maio, 67% dos 900 milhões de eleitores indianos participaram na maior eleição já realizada no país.

As eleições tiveram início em 11 de abril, e foram vistas como um referendo a Modi, cujas reformas económicas não tiveram grande êxito, mas muito popular no país. Com 68 anos, o filho de um vendedor de chá em Gujarat (oeste) chegou ao poder em 2014 e enfrentou neste escrutínio vários poderosos partidos regionais e o partido do Congresso, liderado pelo herdeiro da dinastia política Nehru-Gandhi, Rahul Gandhi. De acordo com várias sondagens, divulgadas no domingo, Modi e o BJP vão conseguir um novo mandato de cinco anos.

Narendra Modi declara vitória

Enquanto a contagem dos votos termina, Modi utilizou o Twitter para declarar vitória. “Juntos crescemos. Juntos progredimos. Juntos vamos construir uma Índia forte e inclusiva”, começou por escreveu o atual primeiro-ministro numa primeira mensagem, acrescentando que “a Índia volta a vencer”.

Mais tarde, voltou a dirigir-se aos indianos: “Obrigado, Índia! A fé colocada na nossa aliança é honrosa e dá-nos força para trabalhar ainda mais para cumprir as aspirações da população”, referiu Modi.

…e Rahul Gandhi assume derrota

“Não quero colorir a decisão do povo indiano e falar no que correu de forma errada”. Foram as palavras de Rahul Gandhi, líder do Congresso Nacional Indiano, que assumiu a derrota ainda antes de a contagem dos votos terminar. “Hoje não é o dia de entrar em detalhes deste mandato. Hoje desejamos-lhe [a Narendra Modi] o melhor e esperamos que ele olhe pelos interesses deste país”, sublinhou ainda, citado pela CNN.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)