Apoio Social

Fundação “la Caixa” e Nova SBE fazem retrato do sector social

A Fundação "La Caixa" assinou esta quinta-feira um protocolo com a Nova SBE, a "Iniciativa para a Equidade Social", que terá como um dos principais eixos fazer o retrato do sector social em Portugal.

JOAO ABREU MIRANDA/LUSA

O anúncio foi feito em Carcavelos, no campus da Nova School of Business & Economics (Nova SBE), a faculdade de Economia e Gestão da Universidade Nova de Lisboa. Na curta aoresentação recordou-se também que a Fundação La Caixa vai investir este ano 20 milhões de euros em projetos em Portugal que vão apoiar instituições sociais e ainda fazer um retrato socioeconómico das famílias portuguesas, com foco nos grupos mais carenciados.

Quanto à “Iniciativa para a Equidade Social”, um programa dotado com uma verba de 2,2 milhões de euros, ele envolverá vários projetos, como fazer um levantamento do setor social em Portugal ou um retrato socioeconómico das famílias portuguesas, dando destaque às situações de privação e exclusão mas também de acesso às repostas sociais, conforme avançou à Lusa o gabinete de imprensa da fundação.

A Iniciativa para a Equidade Social vem complementar a intervenção da Fundação que inclui ainda cinco prémios para apoiar projetos de instituições de solidariedade social no valor de 3,75 milhões de euros.

“Esta é uma das parcerias mais relevantes e ambiciosas que a Fundação La Caixa estabeleceu em Portugal desde a sua chegada ao país há pouco mais de um ano. Em conjunto com a Nova SBE, queremos colocar o conhecimento e a inovação ao serviço dos portugueses e especialmente das pessoas mais vulneráveis”, explicou o presidente da Fundação La Caixa, Isidro Fainé, num comunicado divulgado hoje.

Daniel Traça, da Nova SBE, sublinhou, citado no comunicado, o facto de a parceria poder “ajudar a mapear a situação social de Portugal e a capacitar as organizações que diariamente se esforçam para a melhorar”.

A Fundação La Caixa iniciou a sua ação em Portugal em 2018, ano em que investiu 12 milhões de euros em vários projetos. Através do programa Incorpora, destinado a pessoas em situação de vulnerabilidade, conseguiu oferecer 450 postos de trabalho, segundo a informação divulgada pela fundação. O programa Humaniza, criado a pensar nas pessoas com doenças avançadas, atendeu perto de 1.500 pacientes e 1.700 familiares, além de terem sido apoiados outros 77 projetos de entidades sociais com 2,25 milhões de euros.

A Fundação atribuiu também 4,6 milhões de euros a oito projetos de excelência em investigação em biomedicina e saúde, acrescenta o comunicado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)