Arte

Iranianos ICY e SOT mostram obras de ‘artivismo’ na galeria Underdogs em Lisboa

ICY e SOT, irmãos nascidos em 1991 e 1985, respetivamente, em Tabriz, no Irão, inauguram em Lisboa a exposição "Faces of Society" em que abordam temas como o trabalho, o capitalismo e a igualdade.

"Temos peças sobre a sociedade, o que está a passar-se, toda a gente a viver uma vida rápida, a não se preocupar muito com os outros, mas também temos trabalhos sobre pessoas da classe operária, que trabalham muito, mas não recebem o devido pelo trabalho que fazem ou que não recebem atenção"

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A dupla de artistas iranianos ICY e SOT inaugura, na sexta-feira, em Lisboa, uma exposição que aborda questões como o capitalismo e a igualdade, e vai criar na cidade uma obra que alerta para a crise dos refugiados.

ICY e SOT, irmãos nascidos em 1991 e 1985, respetivamente, em Tabriz, no Irão, e atualmente a residir em Nova Iorque, intitulam-se “ativistas e artistas”, porque, desde que começaram, em 2006, tentam “abordar assuntos e passar mensagens” através da arte.

Na exposição “Faces of Society”, que estará patente na galeria Underdogs, vão mostrar trabalhos novos, nos quais estão a trabalhar há cerca de seis, oito meses, e nos quais abordam temas como o trabalho, o capitalismo e a igualdade.

“Não é uma exposição super intensa politicamente”, referiu SOT em declarações à Lusa. “Temos peças sobre a sociedade, o que está a passar-se, toda a gente a viver uma vida rápida, a não se preocupar muito com os outros, mas também temos trabalhos sobre pessoas da classe operária, que trabalham muito, mas não recebem o devido pelo trabalho que fazem ou que não recebem atenção”, referiu.

Ao longo de cerca de uma década, o trabalho da dupla passou pelo ‘stencil’ (pintura com moldes), mas nos últimos três/quatro anos, contou SOT, decidiram mudar e começar a experimentar outros materiais e técnicas.

“Qualquer ideia que tenhamos, qualquer meio que a torne mais forte, recorremos a ele. Começámos a experimentar com coisas diferentes e decidimos misturar temas e objetos, usar material que existe e modificá-lo para falar de um tema”, recordou SOT.

Nas paredes da Underdogs está exposta uma série de pás trabalhadas, que batizaram de “Working Class Hero”.

“Passámos por uma loja de antiguidades e vimos estas pás enferrujadas, o símbolo de pessoas que trabalham no duro. Comprámos as pás e pensámos no que poderíamos fazer. Tirámos fotografias de perfil de trabalhadores e cortámos os perfis nas pás”, contou ICY.

Os perfis voltam a surgir em telas, pintadas com umas “ferramentas de raspagem” criadas pelos artistas com aço cortado.

“Fizemos esta ferramenta, de aço cortado e usámo-la para pintar, fomos experimentando e criando ferramentas diferentes e pintámos com ela”, recordou SOT.

Com esta ferramenta, que, segundo ICY, é “um novo tipo de stencil”, para os irmãos continua a haver corte envolvido no trabalho da dupla.

“Costumávamos cortar papel [para criar os moldes para o stencil], mas agora cortamos outros materiais, como aço”, disse SOT.

O capitalismo está representado através de uma mala onde a dupla cortou um perfil — “a mala tem dinheiro dentro e a pessoa está a comer o dinheiro” -, e a igualdade, ou falta dela, surge através de uma balança, cujos pratos são um rosto feminino e um outro masculino.

A série “Working Class Hero”, que representa a classe trabalhadora, inclui ainda perfis feitos com vassouras ou luvas de trabalho.

Quando residiam no Irão, através da arte que faziam abordavam temas como a censura ou o trabalho infantil. “As nossas peças costumavam ser muitas vezes censuradas, vimos tanta censura, que acabávamos por abordar o assunto, ou o trabalho infantil, que víamos muito nas ruas, crianças muito novas a trabalhar e a vender coisas”, recordou ICY.

Com a mudança para Nova Iorque, “os assuntos mudaram um pouco”. “Agora temos uma mensagem mais global, sobre o que está a passar-se no mundo, o que está a passar-se à nossa volta: temos vários trabalhos sobre a crise dos refugiados, as migrações e as alterações climáticas”, afirmou.

Em Lisboa, além da exposição, ICY e SOT vão criar uma obra na rua, que ficará no centro da cidade, junto ao rio.

“É uma ideia simples, a maior parte do nosso trabalho é muito simples”, afirmou SOT sobre a bandeira da União Europeia, “feita em rede de arame e com as estrelas de arame farpado”, um “comentário à crise dos refugiados”.

“Eles precisam de mais ajuda do que a que estão a receber. Há muita gente a chegar, a fugir da guerra e de outros perigos, deixam a família, estão só a pedir ajuda, e às vezes ficam anos a viver em campos [de refugiados], são seres humanos, a pedir ajuda, precisam de ser mais bem tratados”, defendeu SOT.

Embora a peça seja feita em Portugal, o artista ressalva que o tema “não é específico sobre Portugal, é sobre toda a Europa”.

“Faces of Society”, de entrada gratuita, fica patente até 15 de junho.

A Underdogs é uma plataforma cultural, fundada pela francesa Pauline Foessel e pelo português Alexandre Farto (Vhils), que se divide entre arte pública, com pinturas nas paredes da cidade, exposições dentro de portas (no n.º 56 da Rua Fernando Palha) e a produção de edições artísticas originais.

A plataforma tem também uma loja, na Rua da Cintura do Porto de Lisboa, e começou em 2015 a organizar visitas guiadas de Arte Urbana em Lisboa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)