Homossexualidade

Senado brasileiro aprova projeto que criminaliza a homofobia

Quem "impedir ou restringir a manifestação razoável de afetividade de qualquer pessoa em local público ou privado aberto ao público", excetuados os templos religiosos, poderá ter 1 a 3 anos de prisão.

"A violência contra pessoas LGBTI é uma perversidade que vem aumentando na sociedade brasileira", diz o senador Weverton Rocha

FERNANDO BIZERRA JR/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado brasileiro aprovou na quarta-feira um projeto que criminaliza a discriminação ou preconceito por sexo, orientação sexual e identidade de género, segundo fontes oficiais.

O projeto em causa, que inclui a homofobia na Lei de Racismo, define que aquele que “impedir ou restringir a manifestação razoável de afetividade de qualquer pessoa em local público ou privado aberto ao público”, ressalvados os templos religiosos, poderá ser punido com pena de um a três anos de prisão.

“O projeto foi concebido dentro de um equilíbrio, respeitando a liberdade religiosa e o espaço dos templos, mas modernizando a nossa legislação e evitando que outros poderes, no caso o poder judiciário, legisle no nosso lugar”, defendeu o relator do texto, Alessandro Vieira, citado na página da internet do Senado.

O senador Weverton Rocha, do Partido Democrático Trabalhista (PDT), citou um levantamento divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU) que aponta o Brasil como líder na violação dos direitos da população LGBTI (sigla para Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais, Transgéneros e lntersexuais) há seis anos.

“A violência contra pessoas LGBTI é uma perversidade que vem aumentando na sociedade brasileira. Com tamanha crueldade não podemos mais compactuar. É inadmissível que a vida de brasileiros e brasileiras seja dizimada em razão da orientação sexual e/ou da identidade de género dos cidadãos”, frisou Weverton ao justificar a validade do projeto.

No entanto, o texto aprovado na quarta-feira necessita ainda de passar por uma votação suplementar na CCJ. Caso seja aprovado nessa segunda volta, o projeto poderá seguir diretamente para Câmara dos Deputados.

A Comissão de Constituição e Justiça aprovou também na quarta-feira um projeto de lei que estende os direitos da Lei Maria da Penha (nome dado a uma legislação brasileira que garante a proteção das mulheres contra qualquer tipo de violência doméstica) a mulheres transgénero e transexuais.

A proposta, que foi defendida pela senadora Rose de Freitas, seguirá agora para aprovação na Câmara dos Deputados, caso não haja recurso para análise pelo plenário.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Produtividade: a culpa é da mão de obra?

Fernando Pinto Santos

De quem é a culpa da baixa produtividade do trabalho em Portugal? Da mão de obra? Sim, mas é só um dos fatores. Falta também maior eficiência dos fatores produtivos e maior capacidade para criar valor

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)