O Benfica emitiu esta sexta-feira, véspera do arranque da Taça dos Clubes Campeões Europeus de atletismo, uma longa nota oficial que visa a decisão da Associação Europeia de Atletismo em não considerar o luso-cubano Pedro Pablo Pichardo atleta português na competição, com todos os ajustes que a medida considerada “incompreensível e inqualificável” poderá obrigar os encarnados a tomar face às condicionantes de atletas estrangeiros por equipa nas várias disciplinas da competição.

Benfiquista Pedro Pichardo autorizado a representar Portugal

“Pedro Pichardo é português, com todos os direitos que esta cidadania lhe dá, há perto de um ano e meio. Continua o atleta a ser considerado cubano para a AEA? Ou, pura e simplesmente, é apátrida?”, questiona a missiva, que destaca ainda o facto de ter havido o mesmo problema no ano passado sem que entretanto houvesse qualquer comunicação sobre o tema. Após a explicação da base para a tomada de decisão, os encarnados falam mesmo num “ato de perseguição política a Portugal, ao Benfica, octacampeão nacional e representante luso na TCCE, e ao atleta de dimensão mundial Pedro Pichardo”, anunciando em paralelo que estarão na prova que se realiza este fim de semana em Espanha “sob protesto”.

Nelson Évora e a naturalização de Pichardo: “Foi um ataque pessoal. Não sei porque é que deram a volta ao mundo para fazer esta borrada”

De referir que os encarnados terminaram no ano passado na segunda posição, a apenas 4,5 pontos dos turcos do Enka, igualando o melhor resultado de sempre obtido na prova (o outro foi em 2014). Este ano, além do organizador espanhol Playas de Castellón, o Benfica terá pela frente Fenerbahçe (Turquia), VSK Univerzita Brno (Rep. Checa), Cosma (Lituâia), Sparta AM (Dinamarca), Birchfield Harriers (Inglaterra) e Rotterdam Atletiek (Holanda) – tendo assim o objetivo de tentar fazer história e conseguir pela primeira vez a competição, que apenas por uma vez teve vitória de uma formação portuguesa (Sporting, em 2000).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Nelson aponta aos Jogos de Tóquio, Pichardo “pica” campeão e Benfica faz comunicado (contra a transmissão)

O comunicado do Benfica na íntegra foi o seguinte:

A equipa de atletismo do Sport Lisboa e Benfica estará, neste fim de semana, na Taça dos Clubes Campeões Europeus (TCCE), em Espanha, a lutar pela conquista do lugar mais alto do pódio. Vai para a principal prova de clubes com a confiança conferida pelo valor dos seus atletas, pela condição de vice-campeão em seniores e por deter o título europeu de juniores, sustentado na forte aposta que, desde há muito, é feita na formação.

A menos de uma semana da partida para Playas de Castellón, o Benfica foi, porém, surpreendido com uma comunicação oficial da Associação Europeia de Atletismo (AEA). Refere esta entidade que o atleta Pedro Pablo Pichardo Peralta não poderá ser utilizado como português, sustentando-se numa decisão anterior da Federação Internacional de Atletismo (IAAF).

A Federação Portuguesa de Atletismo (FPA), intermediária em todo o processo de inscrição, está a par destes desenvolvimentos burocráticos. 

O Benfica sublinha total discordância com a estranha “deliberação”, sobressaindo uma série de interrogações legítimas:

– Pedro Pichardo é português, com todos os direitos que esta cidadania lhe dá, há perto de um ano e meio. Continua o atleta a ser considerado cubano para a AEA? Ou, pura e simplesmente, é apátrida? 

– Pedro Pichardo é português nas provas realizadas em Portugal, onde já saboreou vários títulos nacionais, e triunfou inclusivamente na prestigiada Liga Diamante em 2018 com a bandeira portuguesa assumida na inscrição e até nos grafismos televisivos, mas perde a nacionalidade na principal competição europeia de clubes?

– Tendo a AEA alegadamente identificado a situação na TCCE do ano passado — há um ano! —, manteve-se em total silêncio sobre o assunto, sem qualquer alerta ou iniciativa de contacto ao Benfica ou à FPA. Nem mesmo quando recebeu, no início deste ano, as inscrições preliminares enviadas pelo clube.

– Por que motivo é dirigida esta comunicação ao Benfica agora, a poucos dias da competição, altura em que é praticamente impossível ao clube preparar outro atleta para substituir Pichardo na ambição de triunfar no triplo salto em Playas de Castellón?

– Terá sido a AEA influenciada por alguma das equipas competidoras? Não saberá a AEA que a decisão e respetiva comunicação no presente timing pode influenciar o potencial desportivo da equipa do Benfica no objetivo de alcançar o título europeu?

A organização está a usar para promover a TCCE nas redes sociais uma imagem de Pedro Pichardo, associada, e bem, à bandeira portuguesa.

Mas já hoje foi obtida nova resposta insatisfatória e sem sustentação nos regulamentos oficiais da competição. A AEA continua a omitir que cabe à FPA informar da elegibilidade dos atletas como nacionais ou estrangeiros. Esta informação foi reforçada pela FPA, mas a AEA prefere basear-se numa regra da IAAF que respeita à participação no âmbito das seleções nacionais e não dos clubes.

A AEA está a refugiar-se no regulamento da IAAF para considerar o atleta como estrangeiro, mas a federação internacional não permite o uso de qualquer estrangeiro nas suas competições. Tudo isto é, no mínimo, incoerente.

Para o Benfica configura-se aqui um enquadramento de ausência de sensibilidade e de capacidade de gestão de uma entidade que deve atuar sempre em defesa da modalidade e não alinhar em eventuais estratégias que condicionam atletas, clubes e até federações nacionais. 

É difícil, neste momento, tirar outra conclusão que não seja a de que se trata de um ato de perseguição política a Portugal, ao Benfica, octacampeão nacional e representante luso na TCCE, e ao atleta de dimensão mundial Pedro Pichardo.

Para o Benfica, o melhor atleta do mundo no triplo salto em 2018 é cidadão português e tem os mesmos direitos que qualquer outro cidadão em espaço europeu. É isto mesmo que está legislado pelo Parlamento Europeu, e sob este aspeto está a ser avaliada intervenção na justiça comunitária. 

Pedro Pichardo será, portanto, o atleta apresentado pelo Benfica na disciplina do triplo salto.

Perante tudo o exposto, o SL Benfica informa que vai competir sob protesto nesta TCCE. Releve-se que muito tem investido e valorizado o atletismo, modalidade histórica no clube, pela ambição europeia que a Direção definiu.

Doa a quem doer, é com este sonho e sentimento competitivo que os campeões de Portugal estarão em pista.