Hospital Amadora-Sintra

Cerca de 300 cirurgias adiadas no Amadora-Sintra com a greve dos anestesistas

215

Esta sexta-feira chega ao fim a greve levada a cabo pelos médicos anestesistas do Hospital Amadora-Sintra. Ao fim de cinco dias de paralisação, os "serviços mínimos" adiaram cerca de 300 cirugias.

A paralisação no Hospital Fernando Fonseca começou na segunda-feira de manhã

Os médicos anestesistas do Hospital Amadora-Sintra terminam esta sexta-feira às 20:00 uma greve de cinco dias para exigir a contratação de mais especialistas e reclamar condições de segurança clínica.

A paralisação no Hospital Fernando Fonseca, que começou na segunda-feira de manhã, registou níveis de adesão próximos dos 100% e levou ao adiamento de cerca de 300 cirurgias, segundo estimativas do secretário-geral do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), Roque da Cunha.

Além das cirurgias, o sindicato aponta para mais cerca de 250 exames também adiados, como colonoscopias e outros meios de diagnóstico ou terapêutica que necessitam de anestesiologista.

Convocada pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e o Sindicato dos Médicos da Zona Sul, a greve visa reivindicar que a equipa de urgência tenha quatro especialistas para garantir a segurança clínica nas áreas de bloco operatório, bloco de partos, unidade de cuidados pós-anestésicos, reanimação intra-hospitalar e atividades fora do bloco operatório (como salas de TAC ou laboratório de hemodinâmica).

Nos cinco dias de greve estiveram “assegurados os serviços mínimos com escalas dos serviços de urgência (…) com mais médicos do que aqueles que ocorrem” muitas vezes nos serviços normais, refere o SIM.

Os sindicatos têm alertado que as escalas de urgência abaixo dos mínimos põem em causa a segurança dos doentes e dos profissionais, tendo os médicos denunciado esta situação por respeito aos seus doentes.

A administração do Hospital Fernando Fonseca já veio garantir que a qualidade dos cuidados de saúde tem “sido sempre e impreterivelmente assegurada”, apesar da falta de anestesistas.

O hospital adiantou, mesmo antes do início da greve, que tem feito tudo para tentar contratar anestesistas, lembrando que se trata de uma especialidade médica particularmente carenciada a nível nacional.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

O estado da saúde /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não é por acaso que o João Lobo Antunes escrevia, a propósito da implantação do estado social em Portugal, que "a corporação médica tinha uma hegemonia monopolista e esta tendência persistiu até hoje"

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)