Nicolás Maduro

Maduro diz que novas sanções dos EUA não vão afetar programa de alimentos subsidiados

O Chefe de Estado Venezuelano admite continuar com o programa de entrega de alimentos a preços subsidiados, conhecido como CLAP. Estados Unidos falam num programa "corrompido".

Estados Unidos olham para o programa como um "crime real"

Rayner Pena/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, assegurou na quinta-feira que o programa de entrega de alimentos a preços subsidiados, conhecido como CLAP, vai continuar apesar de os Estados Unidos terem advertido sobre novas sanções.

“O chefe do império anunciou que vai sancionar e bloquear o CLAP, como se não soubéssemos trabalhar e não pudéssemos garantir este programa ao nosso povo”, afirmou o chefe de Estado venezuelano, garantindo que as bolsas e caixas CLAP vão continuar.

Maduro falava no Círculo Militar de Caracas, durante a inauguração da primeira Feira de Inovação, Desenvolvimento, Ciência e Tecnologia das Forças Armadas Bolivarianas, Círculo Militar de Caracas.

O enviado dos EUA para a Venezuela, Elliott Abrams, anunciou na quarta-feira que o Governo do Presidente norte-americano, Donald Trump, prepara novas sanções contra funcionários de Caracas que os EUA suspeitam de estar a beneficiar do programa CLAP.

“É um crime real, porque os venezuelanos mais pobres necessitam [do CLAP] para sobreviver. Eles sabem que este programa está corrompido, nós sabemos e estamos a investigar pormenores”, disse.

O Departamento do Tesouro dos EUA divulgou este mês um relatório no qual dava conta de que altos funcionários do Governo venezuelano estariam a usar o programa CLAP para branquear ativos provenientes de corrupção e para obter benefícios económicos.

Segundo Washington, estão a ser investigadas atividades relacionadas com os CLAP em vários países, nomeadamente na Turquia, no Panamá, no México e no território de Hong Kong.

Estima-se que o programa CLAP chegue quinzenalmente a seis milhões de venezuelanos, embora já tenham vindo a público várias queixas de alguns problemas na distribuição, na qualidade e quantidade dos produtos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)