O ministro das Finanças, Mário Centeno, garantiu esta sexta-feira que no que depender do Governo “a rede de caixas automáticas” Multibanco vai continuar gratuita para todos os portugueses, depois de um conjunto de banqueiros ter defendido o contrário.

O governante falava na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, no Fórum Financeiro Outlook 2019 “Portugal – De aqui para onde?”.

“Nos últimos anos, o acesso ‘online’ aos serviços bancários tornou-se mais comum, enquanto forma de relacionamento dos clientes com os seus bancos, assim como o recurso a caixas automáticas. Se, por um lado, os bancos devem prestar serviços de qualidade, com comissões acessíveis a quem não acompanha a era digital, por outro lado, a rede de caixas automáticas, no que depender do Governo, vai continuar gratuita para os portugueses”, disse.

Numa conferência no início do mês, os presidentes executivos do BCP, BPI, Caixa Geral de Depósitos (CGD) e Novo Banco defenderam que o multibanco deve ou ser pago ou ter critérios uniformes em toda a zona euro.

A 10 de maio, o secretário de Estado da Defesa do Consumidor, João Torres, já tinha dito que era ilegal cobrar taxas pela utilização do Multibanco. Ouvido pela TSF, João Torres garante que a lei não vai ser mudada nos próximos tempos e que os bancos não estão autorizados a fazer cobranças por transferências, levantamentos, pagamentos ou outros serviços providenciados pela rede Multibanco.

“Não estou à espera que a Associação Portuguesa de Bancos solicite qualquer alteração à lei”, disse o governante numa resposta à intenção demonstrada recentemente pelos banqueiros de começar a cobrar taxas.