Calçado

Portugal assume presidência da Confederação Europeia de Indústrias de Calçado

424

Luís Onofre vai assumir o cargo máximo da Conferência Europeia de Indústrias de Calçado. O ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, considera que Portugal é "um caso de estudo" no setor.

Luís Onofre vai assumir a presidência do setor esta sexta-feira no Porto

HUGO DELGADO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Luís Onofre, assume esta sexta-feira a liderança, durante o próximo triénio, da confederação europeia do setor, representativa de 21 mil empresas responsáveis por 278 mil empregos.

Segundo a informação avançada pela Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos (APICCAPS), a cerimónia de tomada de posse decorrerá pelas 19:00 no Palácio da Bolsa, no Porto.

O anúncio da nomeação de Luís Onofre para a presidência da Confederação Europeia de Indústrias de Calçado (CEC), sucedendo ao italiano Cleto Sacripanti, foi feito em 10 de fevereiro pelo ministro Adjunto e da Economia, que considerou tratar-se da demonstração do prestígio internacional de Portugal nesta indústria e de “uma distinção não apenas à pessoa e à sua capacidade de liderança, mas também um reflexo da importância que a confederação europeia atribui ao setor em Portugal”.

Segundo Pedro Siza Vieira, assumir a presidência da CEC, que tem sede em Bruxelas, permitirá ao país “contribuir para a afirmação da indústria europeia, mas particularmente para a elevação da imagem de Portugal”. “A forma como o mundo aprecia o percurso da indústria portuguesa de calçado é impressionante, é um caso de estudo e um exemplo internacional e no país”, sustentou.

Corroborando que assumir a presidência da CEC “é um prestígio” pessoal e para o setor, Luís Onofre pretende aproveitar o cargo “para ajudar a indústria portuguesa a ser cada vez mais reconhecida a nível internacional” e para avaliar com mais profundidade “algumas situações que se passam a nível da Europa”.

Esta é a segunda vez que Portugal assume a liderança da CEC. Em 2001, o então presidente da APICCAPS, Fortunato Frederico, ocupou por dois anos a presidência da confederação europeia.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), no ano passado as exportações da indústria portuguesa de calçado aumentaram 1,54% (para 84,296 milhões de pares), mas recuaram 2,85% em valor (para 1.904 milhões de euros), interrompendo um ciclo virtuoso de oito anos consecutivos de crescimento.

Com mais de 1.500 empresas de calçado e 40.000 trabalhadores, o setor português de calçado tinha atingido em 2017 o máximo histórico das exportações, em torno dos 1.965 milhões de euros, equivalentes a mais de 83 milhões de pares de sapatos. O preço médio de exportação (26,54 dólares, praticamente o triplo do praticado a nível mundial) foi o segundo maior entre os principais produtores mundiais de calçado.

Segundo os dados do gabinete de estudos da APICCAPS, desde 2010 que se registavam aumentos sucessivos do valor exportado pela indústria portuguesa de calçado, onde foram desde então criadas 280 novas empresas e 7.092 novos empregos (10.227 se for considerado o emprego criado em toda a fileira).

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)