Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa pediu aos portugueses para não guardarem os votos para outubro

282

"É tentador ficar em casa", diz o Presidente, que apela ao voto, neste domingo, para o Parlamento Europeu. Apesar de não se ter falado só de Europa na campanha, as legislativas são só em outubro.

Marcelo Rebelo de Sousa falou ao país para apelar ao voto

Presidência da República

Marcelo Rebelo de Sousa fala aos portugueses e apela ao voto neste domingo para tentar contrariar as elevadas taxas de abstenção que normalmente se verificam nas eleições para o Parlamento Europeu. O Presidente da República reconhece que as pessoas se sentem distanciadas das eleições europeias, sobretudo quando “se fala de muito mais do que de Europa” durante a campanha, mas lembra “é um erro” guardar os votos para outubro. “Muita da nossa vida resolve-se na Europa.”

O Presidente da República pede aos portugueses que façam o sacrifício de esquecer “o que vos desgostou na campanha eleitoral” e que não se deixem cair no “comodismo de achar que votar é para os outros, para os núcleos duros dos partidos, para os entendidos, para os mesmos de sempre”. “Peço-vos esse pequeno sacrifício que é não deixar nas mãos de 20% ou de 25% a decisão que é de todos.”

Leia a mensagem completa do Presidente da República (ou veja-a aqui):

“Muito boa noite!

Eu sei que tem sido regra haver uma elevada abstenção nas eleições para o Parlamento Europeu.

Eu sei que muitos portugueses pensam que as eleições de amanhã não importam à sua vida, porque não escolhem Presidentes da República, nem deputados que os representem, nem Governos nacionais que decidam sobre os seus problemas, nem Governos regionais ou autarcas nos municípios ou nas freguesias que lidem com a sua vida de todos os dias.

Eu sei que mais de um milhão de compatriotas que vive por esse mundo fora, e que, num passo histórico, passou a ter direito de voto, pode estar ainda longe destas suas primeiras eleições.

E também sei que, nas campanhas eleitorais europeias, se fala de muito mais do que de Europa, sobretudo num ano, como este, em que daqui por quatro meses, há novas eleições, as eleições para a Assembleia da República.

É, por isso, tentador ficar em casa e deixar a outros o encargo de irem votar, guardando para outubro o voto considerado essencial.

Eu sei tudo isto. Nós sabemos tudo isto. Mas é um erro. É um erro enorme.

A Europa é, com todos os seus problemas, a área com mais direitos do Mundo. Muita da nossa vida resolve-se na Europa. Na Europa temos quase dois milhões de familiares nossos.

Na Europa se tomam decisões que marcam o nosso presente e o nosso futuro — nas finanças, na economia, no emprego, na formação, nas escolas, no ambiente, nas estradas, no digital, na inovação.

Na Europa temos tido apoio, com fundos, para fazermos muito do que sozinhos faríamos com maior custo e para mantermos, em momentos difíceis, a capacidade de nos financiarmos lá fora.

Ora, na Europa, na União Europeia, só temos uma hipótese de escolher os nossos representantes diretos. E que é, a de participar na eleição dos nossos deputados europeus.

Hoje, embora disso nos não demos conta, é tão importante o que se decide na Europa como muito do que se decide apenas em Portugal. E a Europa vai tomar, nos próximos meses e nos próximos anos, decisões fundamentais para o nosso futuro.

Por isso, vos venho pedir que esqueçais o que vos desgostou na campanha eleitoral, ou a tentação de pensar que é um voto incómodo, um voto desinteressante, um voto desnecessário, ou o comodismo de achar que votar é para os outros, para os núcleos duros dos partidos, para os entendidos, para os mesmos de sempre.

Peço-vos esse pequeno sacrifício que é não deixar nas mãos de 20% ou de 25% a decisão que é de todos. Até por uma razão muito simples, para no dia seguinte, não terdes, não termos, de recomeçar o queixume de que a Europa, a que pertencemos, está errada, de que a Europa não nos entende, de que a Europa não nos apoia como deveria fazê-lo, de que a Europa não é suficientemente solidária, de que a Europa se encontra dominada por aqueles que não queremos, nem aceitamos. Tudo porque a maioria esmagadora escolheu não escolher. Ou melhor, escolheu não dedicar, amanhã, uns minutos do seu tempo àquilo que vai determinar os próximos cinco ano da nossa vida.

Assim começou, em tantos casos, a fraqueza das democracias. Assim começou, vezes demais, o caminho para a sedução dos poderes absolutos.

Votar amanhã é não desistir da liberdade de mandar no nosso futuro.

Muito boa noite.”

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Ambiente

A intervenção do PSD na área do Ambiente

Salvador Malheiro

O PSD é detentor de um legado riquíssimo em matéria de política ambiental, pelo que a sua intervenção na área do Ambiente foi, é e continuará a ser determinante para o desenvolvimento de Portugal

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)