Rádio Observador

FC Porto

Uma semana para esquecer e Felipe pode sair do Dragão por uma porta menos grande

O central brasileiro leva três épocas de dragão ao peito mas pode ficar por aqui. Este ano perdeu duas finais frente ao Sporting e o Campeonato para o Benfica. O Atl. Madrid está interessado.

Felipe esteve em todos os jogos do FC Porto na Taça de Portugal

AFP/Getty Images

Autor
  • João Filipe Cruz

“Daqui uma semana voltamos a campo para outra batalha, em busca de fechar a época com mais uma conquista que este grupo merece”. Foi a reação de Felipe à perda do Campeonato e, ao mesmo tempo, o lançamento da final da Taça de Portugal frente ao Sporting. O FC Porto acabou por perder outra taça frente aos leões, depois da Taça da Liga. Não foi, certamente, o final de época que o brasileiro imaginou. Com o final da época, vêm também as despedidas e o futuro de Felipe continua em aberto.

Felipe entrou em campo como o único totalista do FC Porto na prova. A caminhada azul e branca para o Estádio Nacional teve sempre o brasileiro como pedra basilar. No Jamor, a tarde foi de altos e baixos para o central. Não foi propriamente um jogo com muito trabalho para o defesa, mas esteve presente nos dois momentos chave do encontro. Depois do empate a uma bola no tempo regulamentar, o Sporting adiantou-se no marcador aos 101′, por Bas Dost, depois de Felipe falhar o corte e colocar a bola nos pés do holandês. O brasileiro até podia ter ficado na memória como o responsável — ainda que forçado — pela derrota portista, mas foi do inferno ao céu em 20 minutos. No último suspiro, Felipe empatou a final e esteve na boca de muitos adeptos portistas.

No Jamor, Felipe pode ter feito o último pelo FC Porto. Foto: AFP/Getty Images

Mesmo depois da derrota, Felipe saiu do jogo com a folha limpa e, com o golo do empate, anulou o quase-corte que deu a vantagem ao Sporting. Mas não chegou para conquistar um troféu esta época. O FC Porto perdeu as três competições domésticas e as duas taças nos penáltis, frente aos de Alvalade. Não seria, certamente, uma boa época de despedida para o brasileiro. Não é certo, mas vários órgãos portugueses e espanhóis insistem na saída do central e estão de acordo quanto ao clube interessado: Atl. Madrid. Os espanhóis perderam Godín e procuram um substituto para o antigo capitão.

Felipe chegou ao Dragão em 2016. Três anos depois, contabiliza 142 jogos e viu o nome no marcador por 11 vezes. Em três anos, conquistou um Campeonato português e uma Supertaça Cândido de Oliveira, ambos no ano passado. Na Liga dos Campeões, foi parte da muralha defensiva que valeu duas presenças nos oitavos de final e, este ano, nos quartos, o que não acontecia desde 2015. Aos 30 anos, as exibições pelos azuis e branco até valeram uma chamada à seleção brasileira para um particular, frente a El Salvador. Resta agora saber se é este o fim da linha de Felipe.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)