“Daqui uma semana voltamos a campo para outra batalha, em busca de fechar a época com mais uma conquista que este grupo merece”. Foi a reação de Felipe à perda do Campeonato e, ao mesmo tempo, o lançamento da final da Taça de Portugal frente ao Sporting. O FC Porto acabou por perder outra taça frente aos leões, depois da Taça da Liga. Não foi, certamente, o final de época que o brasileiro imaginou. Com o final da época, vêm também as despedidas e o futuro de Felipe continua em aberto.

Felipe entrou em campo como o único totalista do FC Porto na prova. A caminhada azul e branca para o Estádio Nacional teve sempre o brasileiro como pedra basilar. No Jamor, a tarde foi de altos e baixos para o central. Não foi propriamente um jogo com muito trabalho para o defesa, mas esteve presente nos dois momentos chave do encontro. Depois do empate a uma bola no tempo regulamentar, o Sporting adiantou-se no marcador aos 101′, por Bas Dost, depois de Felipe falhar o corte e colocar a bola nos pés do holandês. O brasileiro até podia ter ficado na memória como o responsável — ainda que forçado — pela derrota portista, mas foi do inferno ao céu em 20 minutos. No último suspiro, Felipe empatou a final e esteve na boca de muitos adeptos portistas.

No Jamor, Felipe pode ter feito o último pelo FC Porto. Foto: AFP/Getty Images

Mesmo depois da derrota, Felipe saiu do jogo com a folha limpa e, com o golo do empate, anulou o quase-corte que deu a vantagem ao Sporting. Mas não chegou para conquistar um troféu esta época. O FC Porto perdeu as três competições domésticas e as duas taças nos penáltis, frente aos de Alvalade. Não seria, certamente, uma boa época de despedida para o brasileiro. Não é certo, mas vários órgãos portugueses e espanhóis insistem na saída do central e estão de acordo quanto ao clube interessado: Atl. Madrid. Os espanhóis perderam Godín e procuram um substituto para o antigo capitão.

Felipe chegou ao Dragão em 2016. Três anos depois, contabiliza 142 jogos e viu o nome no marcador por 11 vezes. Em três anos, conquistou um Campeonato português e uma Supertaça Cândido de Oliveira, ambos no ano passado. Na Liga dos Campeões, foi parte da muralha defensiva que valeu duas presenças nos oitavos de final e, este ano, nos quartos, o que não acontecia desde 2015. Aos 30 anos, as exibições pelos azuis e branco até valeram uma chamada à seleção brasileira para um particular, frente a El Salvador. Resta agora saber se é este o fim da linha de Felipe.