As autoridades chilenas desmantelaram uma rede de contrabando de migrantes que conduziu ao país sul-americano pelo menos 381 cidadãos chineses, indicou no sábado a polícia local. Nove pessoas foram detidas, incluindo dois ex-funcionários e um funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros chileno.

A rede operava desde 2016 e fornecia a cidadãos chineses, a troco de 5.000 dólares (cerca de 4.500 euros), “falsas cartas-convite para entrar no Chile”, explicou à imprensa um alto funcionário da polícia, Hector Gonzalez. A subsecretária de Prevenção Criminal Katherine Martorell disse tratar-se da “maior rede de tráfico de pessoas existente na história do país”.

Através das cartas, os migrantes chineses conseguiram obter vistos alegando serem “empresários a negociar contratos”, apontou Martorell. Uma vez no Chile, “foram contratados por empreendedores, geralmente chineses, que lhes deram trabalho”, acrescentou.