Rádio Observador

CPLP

Cabo Verde promete “estar na linha da frente” da mobilidade na CPLP

Paulo Rocha afirmou que Cabo Verde "tem assumido a questão da segurança documental e fronteiriça como uma bandeira" e tem vindo a introduzir documentos de suporte eletrónico.

Porém, "nem todos os países [da CPLP] estão no mesmo nível de desenvolvimento", avisou o governante cabo-verdiano

Autor
  • Agência Lusa

O ministro da Administração Interna de Cabo Verde prometeu esta segunda-feira, em Lisboa, que o seu país está preparado para “estar na linha da frente” da mobilidade, logo que um acordo nesta matéria se concretize entre os estados-membros da CPLP.

“Cabo Verde está decidido a levar esta questão avante e tem estado a preparar-se na ordem interna. Tem estado a reforçar a legislação sobre nacionalidade, a questão dos documentos, a segurança fronteiriça, por forma a estarmos na linha da frente quando chegar esse momento”, afirmou Paulo Rocha aos jornalistas à margem da cerimónia de abertura da segunda reunião da comissão técnica para a livre circulação de pessoas no espaço da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

Segundo o governante cabo-verdiano, Cabo Verde “tem assumido a questão da segurança documental e fronteiriça como uma bandeira” e tem vindo a introduzir documentos de suporte eletrónico, como o cartão nacional de identificação, entre outros aspetos.

Porém, “nem todos os países [da CPLP] estão no mesmo nível de desenvolvimento”, avisou.

Por isso também, a proposta sobre um possível acordo global para a livre circulação de pessoas no espaço da CPLP, que está a ser “detalhada” por responsáveis dos estados-membros da organização, entre hoje e terça-feira, em Lisboa, assenta num modelo flexível e de aplicação faseada, indicou.

Uma flexibilidade que Paulo Rocha explica como pode funcionar na prática: “Cabo Verde pode querer uma modalidade com Angola e outra modalidade com o Brasil e outra com Portugal, em função dos seus interesses e vice-versa”.

Assim, um eventual acordo sobre mobilidade que venha a ser aprovado no Conselho de Ministro de Negócios Estrangeiros, a realizar em julho em Cabo Verde “pode ser” um processo a várias velocidades.

Porém, para o ministro, “o importante” é que os estados-membros percebam “esse conceito de um acordo que seja flexível no tempo e no espaço em função dos interesses e dos momentos de cada país”.

A Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) começa esta segunda-feira a discutir, em Lisboa, um “modelo flexível e de aplicação faseada” de mobilidade, explicou à Lusa o secretário-executivo da organização, Francisco Ribeiro Telles.

Na agenda de dois dias da segunda reunião técnica conjunta sobre mobilidade, que conta com a presença do ministro da Administração Interna de Cabo Verde – país que tem atualmente a presidência rotativa da CPLP -, será debatida “uma proposta de acordo-quadro sobre mobilidade” entre os estados-membros da organização.

A proposta em causa, segundo Francisco Ribeiro Telles, “foi submetida” pela presidência cabo-verdiana e “avança com um modelo flexível e de aplicação faseada para a concretização da mobilidade na CPLP”.

“Este documento parte de uma base mínima de mobilidade dos agentes dos Estados e prevê a extensão de total mobilidade a outras categorias em que se incluem agentes económicos, culturais, académicos, investigadores, estudantes e desportistas de uma forma progressiva e de acordo com as escolhas dos próprios estados”, explicou o diplomata português.

“Se há Estados que, por razão de legislação interna ou por um ordenamento jurídico muito complexo, não se sentem confortáveis, poderão fazê-lo numa outra fase. Daí que se fale de uma CPLP de geometria variável”, disse ainda, embora sem apontar os países que se sentem mais ou menos “confortáveis” para avançar.

Esta reunião técnica conjunta tem a participação de responsáveis pelas questões da mobilidade nos setores da Administração Interna/Interior, Justiça e Negócios Estrangeiros/Relações Exteriores dos Estados-membros.

Na XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da CPLP, que se realizou em julho de 2018, em Santa Maria, Cabo Verde, foi reafirmado que “a mobilidade e a circulação no espaço da CPLP constituem um instrumento essencial para o aprofundamento da comunidade e a progressiva construção de uma cidadania” daquela organização.

Na “Declaração sobre as Pessoas e a Mobilidade na CPLP”, os líderes dos Estados-membros sublinharam a “premência da criação progressiva de condições que visem a facilitação da mobilidade entre os países que compõem a CPLP”, mas “tendo em atenção as especificidades de cada país, nos seus mais variados domínios”, sublinha a organização, num comunicado sobre a reunião técnica que começa esta segunda-feira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)