Rádio Observador

Macau

Revistos mais de 1.200 pedidos de residência temporária em Macau

De acordo com o IPIM até meados de maio, "foram revistos mais de 1.200 processos e no primeiro trimestre deste ano foram aprovados 134 pedidos de fixação de residência temporária.

"O IPIM tem procedido à revisão abrangente das etapas de apreciação e supervisão dos pedidos, tendo implementado, de forma ordenada, uma série de medidas de otimização", afirmou Irene Lau

Carmo Correia/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM) reviu, até meados deste mês, mais de 1.200 processos de autorização de residência temporária, anunciou esta segunda-feira a presidente substituta daquele organismo.

Em reunião plenária da Assembleia Legislativa, Irene Va Kuan Lau respondeu à interpelação oral da deputada Lei Cheng I sobre os resultados do relatório do Comissariado contra a Corrupção (CCAC), em julho passado, sobre “casos problemáticos ou de falsificação” nos pedidos de “imigração por investimentos relevantes” ou “imigração por fixação de residência de técnicos especializados”.

“O IPIM tem procedido à revisão abrangente das etapas de apreciação e supervisão dos pedidos, tendo implementado, de forma ordenada, uma série de medidas de otimização”, afirmou Irene Lau.

Até meados de maio, “foram revistos mais de 1.200 processos”, sublinhou.

“Nos últimos dez meses não parámos de trabalhar (…)”, indicou a responsável, sublinhando já ter sido registada uma diminuição no número de pedidos autorizados, “devido à reapreciação” dos casos.

De acordo com o ‘site’ do IPIM, no primeiro trimestre deste ano foram aprovados 134 pedidos de fixação de residência temporária. No primeiro trimestre do ano passado, o IPIM tinha aprovado 322 pedidos.

Em alguns casos é necessário pedir aos requerentes documentos justificativos, e “isso tudo demora tempo”, sublinhou a presidente substituta do conselho de administração do IPIM, que na terça-feira é empossada no cargo.

No final de outubro passado, o Governo de Macau tinha indicado Irene Lau, então vogal executiva do IPIM, para substituir “em regime de substituição” o então presidente do instituto Jackson Chang, suspenso na sequência de uma investigação por “crimes funcionais” na apreciação e autorização de pedidos de residência.

A suspensão de Jackson Chang foi decidida na sequência de um comunicado do CCAC, de acordo com o qual o antigo presidente do IPIM tinha ficado sujeito às “medidas de coação de suspensão do desempenho de funções públicas e de proibição de saída de Macau”.

Além do presidente, foram aplicadas as mesmas medidas de coação a um vogal executivo da instituição e um antigo diretor adjunto do Gabinete Jurídico e de Fixação de Residência do IPIM.

Em julho passado, um relatório do CCAC dava conta de irregularidades na apreciação e autorização, por parte do IPIM, dos pedidos de “imigração por investimentos em imóveis”, “imigração por investimentos relevantes” e “imigração por fixação de residência dos técnicos especializados”.

O comissariado apontava, por exemplo, casos em que os requerentes, “não se encontrando em Macau por muitos anos, conseguiram demonstrar (…) auferir salários significativos de sociedades sem sucesso”, o que leva a crer que tenham “adquirido fraudulentamente” estas autorizações.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Macau não é como Hong Kong. Pois não

José Álvares
177

Embora ambos fossem entrepostos de comércio, em Macau havia cooperação por parte de Portugal com a China, enquanto em Hong Kong havia apenas o dizer dos britânicos. 

China

Hong Kong, Macau e cultura democrática

Ricardo Pinheiro Alves
209

Os portugueses que foram colocados em Macau durante a administração portuguesa trataram em primeiro lugar da sua vidinha. O que deixaram foi uma cultura de subserviência e aproveitamento oportunista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)