Rádio Observador

Hospital Amadora-Sintra

Amadora-Sintra deixou grávida em trabalho de parto ir sozinha para outro hospital por falta de vagas

489

A grávida de 39 semanas dirigiu-se ao São Francisco Xavier, em Lisboa, onde o bebé nasceu sem problemas. O Amadora-Sintra também não terá fornecido transporte adequado para a utente.

Caso ocorreu em agosto de 2018

A Entidade Reguladora da Saúde censurou o Hospital Amadora-Sintra por ter sugerido e deixado uma grávida em trabalho de parto deslocar-se pelos seus próprios meios para outro hospital por inexistência de vagas na instituição.

O caso ocorreu em agosto do ano passado, através de uma reclamação de uma utente, que estava grávida de 39 semanas e dois dias e se deslocou à urgência do Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra).

O que é censurado por esta entidade reguladora é precisamente o facto de, perante uma situação de inexistência de vagas para internamento no serviço de obstetrícia do Hospital Fernando Fonseca, o prestador ter sugerido a uma utente em trabalho de parto que se deslocasse, pelos seus próprios meios, para outro estabelecimento hospitalar”, refere a deliberação da ERS esta terça-feira divulgada.

Perante o caso, o regulador afirma que a obrigação do hospital seria providenciar, em tempo útil e de forma integrada, transporte adequado para a utente, nomeadamente através do Centro de Orientação de Doentes Urgentes do INEM.

A ERS entende mesmo ser “incompreensível” que o hospital não tenha encontrado transporte adequado para a utente, avisando que “a segurança e previsibilidade da prestação de cuidados de saúde não se pode compadecer com a existência de mecanismos informais de transferência que estejam na dependência de familiares ou, como no caso, da própria utente”. A deliberação indica que, “incitando a utente a deslocar-se pelos seus próprios meios” para outro hospital, o Amadora-Sintra colocou em causa “a integração e a qualidade dos cuidados de saúde prestados”.

Na resposta que fez chegar à ERS, o Hospital Fernando Fonseca lamenta a “escassez de recursos técnicos/humanos” que diz estar na origem do caso concreto.

O hospital tem feito um esforço no sentido de garantir a continuidade de cuidados, bem como, promover a acessibilidade dos utentes aos seus cuidados, no entanto, reconhece que, neste caso, o nível de resposta não correspondeu ao pretendido, pelos motivos referidos”, indicou o Amadora-Sintra, lamentando a situação.

Contudo, indicou que não ativou meios de urgência para transporte inter-hospitalar porque a utente abandonou as instalações do hospital após a primeira observação médica e quando foi informada da falta de vagas.

Na sua deliberação, a ERS rejeita os argumentos do hospital e recorda que foram os próprios profissionais a sugerir à grávida que poderia ser ela a procurar outro hospital. Por isso, apela a que futuras situações não se repitam e que sejam adotados mecanismos de transferência.

A grávida relatou que deu entrada na urgência de obstetrícia do Amadora-Sintra pelas 08h30 de dia 9 de agosto de 2018, em trabalho de parto e com muitas dores. Depois de ter sido sugerido que se deslocasse a outra unidade, dirigiu-se ao São Francisco Xavier, em Lisboa, onde entrou pelas 11h30. O filho acabou por nascer nesse hospital às 15h38, onde tudo correu bem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)