Rádio Observador

Macau

Governo de Macau e operadoras de casino lançam mega festival de artes internacional

O festival Art Macau arranca a 6 de junho e assume-se como "um mega evento internacional", vai durar mais de seis meses e estão previstas "40 atividades de grande dimensão realizadas em 44 locais".

Espetáculos de música, dança e teatro, por exemplo, integram igualmente o Art Macau

EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Governo de Macau apresentou esta terça-feira com as operadoras de casinos um mega festival que vai durar mais de meio ano, orçado em 1,8 milhões de euros e que se quer afirmar como uma nova marca cultural internacional.

O Art Macau arranca a 6 de junho e assume-se como “um mega evento internacional (…), sem precedentes em Macau” e que vai durar “mais de seis meses”, afirmou o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura na cerimónia de apresentação do programa.

A organização prometeu transformar os ‘resorts’ integrados, consulados (entre os quais o de Portugal) e alguns espaços públicos em ‘galerias’ de arte, juntando mostras de arte de artistas ocidentais e chineses.

Pouco antes do recente anúncio de que as atuais licenças de exploração de jogo serão atribuídas através da abertura de um concurso público, presumivelmente em 2021, o Governo de Macau lançou o desafio às concessionárias e subconcessionárias, até porque, disse esta terça-feira Alexis Tam aos jornalistas, “as operadoras têm a obrigação de fazer mais [pela diversificação da indústria]”, algo a que estão vinculadas contratualmente, sublinhou.

Resultado, acrescentou, as operadoras – Galaxy, Melco, MGM, Sociedade de Jogos de Macau, Sands e Wynn – “ficaram muito felizes” e aceitaram a proposta de suportarem financeiramente o evento, cada uma delas a atribuírem um valor na ordem dos três milhões de patacas (332 mil euros).

Um dos destaques da programação em julho é a 2.ª Exposição Anual de Artes entre a China e os Países de língua Portuguesa, para a qual foram convidados a expor artistas chineses, macaenses e portugueses em vários locais da cidade.

Para o evento foram também convidados curadores, artistas, especialistas e académicos para realizarem criações artísticas, palestras e workshops.

Segundo a organização, estão previstas “40 atividades de grande dimensão realizadas em 44 locais, por toda a cidade, através de uma plataforma multimédia e de arte, quebrando as limitações do conceito de espaço, formando um festival de artes e cultura (…) e apresentando ao mundo uma nova marca de turismo cultural.

Enytre elas, a organização destaca “a Estrutura de Bambu Temporária ‘Santuário’, projetada pelos arquitetos locais João Ó & Rita Machado, (…) atualmente em construção no Jardim da Fortaleza do Monte”.

Ao mesmo tempo, “inspiradas pelo famoso poeta e escritor português Fernando Pessoa, 22 obras [intituladas] de ‘Vagabundo’, coloridas em fibra de vidro e concebida pelo artista local Wong Ka Long, serão expostas nas Casas da Taipa”, acrescenta-se na informação sobre o programa.

Espetáculos de música, dança e teatro, por exemplo, integram igualmente o Art Macau, que integra ainda outros eventos já existentes no território.

“Arte Macau: Exposição Internacional de Arte”, a principal iniciativa do evento no Museu de Arte de Macau, reúne a partir de 06 de junho, quando arranca o Art Macau, “uma série de obras valiosas selecionadas de várias operadoras de estâncias turísticas integradas e empresas hoteleiras, incluindo obras de pintura, cerâmica, escultura e multimédia”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Macau não é como Hong Kong. Pois não

José Álvares
177

Embora ambos fossem entrepostos de comércio, em Macau havia cooperação por parte de Portugal com a China, enquanto em Hong Kong havia apenas o dizer dos britânicos. 

China

Hong Kong, Macau e cultura democrática

Ricardo Pinheiro Alves
209

Os portugueses que foram colocados em Macau durante a administração portuguesa trataram em primeiro lugar da sua vidinha. O que deixaram foi uma cultura de subserviência e aproveitamento oportunista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)