Rádio Observador

Ministério da Agricultura

Governo avança com plano preventivo contra peste suína africana

Apesar de Portugal estar, atualmente, na chamada "zona livre", existe o risco de entrada desta doença, tendo em conta a facilidade da sua disseminação.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Governo apresentou esta quarta-feira o plano de prevenção contra a Peste Suína Africana (PSA), que engloba um conjunto de medidas para travar o risco de entrada da doença em Portugal, bem como a preparação de um plano de contingência. “O Governo leva a questão da peste suína africana muito a sério. É uma questão que consideramos de grande prioridade política, por isso, estamos a atuar preventivamente”, assegurou o ministro da Agricultura, Capoulas Santos, à Lusa, no final da apresentação do plano, em Lisboa.

Apesar de Portugal estar, atualmente, na chamada “zona livre”, existe o risco de entrada desta doença, tendo em conta a facilidade da sua disseminação.

De acordo com o Ministério da Agricultura, o risco de introdução da peste está associado a fatores como a entrada de suínos domésticos e selvagens infetados, de produtos e troféus de caça contaminados, bem como o contacto com alimentos ou outros materiais contaminados, de que são exemplo viaturas, vestuário e equipamentos.

O primeiro eixo deste plano de ação que entra hoje em vigor inclui um conjunto de medidas preventivas que passam pela comunicação e sensibilização, reforço da biossegurança, da vigilância e da deteção precoce, pela redução das populações de javalis e pelo incremento dos controlos oficiais.

No âmbito da comunicação, prevê o reforço do número de ‘outdoors’ informativos e a difusão de um ‘spot’ televisivo, bem como a conceção de outros materiais de divulgação, enquanto no reforço da biossegurança está prevista a atualização do manual de boas-práticas higio-sanitárias da caça maior e o aumento das ações de fiscalização da limpeza e desinfeção de veículos. Por sua vez, este conjunto de medidas contempla o reforço da vigilância nos matadouros e do plano de vigilância sanitária da caça maior.

No que se refere a redução das populações de javalis, o objetivo é realizar um censo nacional, registar queixas e avaliação de prejuízos do “fenómeno dos javalis sinantropos” e implementar um plano de correção da densidade das populações destes animais.

Por último, o Governo quer incrementar os controlos oficiais, por exemplo, através da manutenção e reforço das medidas preventivas nos aeroportos, dos controlos nos postos de limpeza e desinfeção de veículos, da fiscalização dos produtos de caça comercializados com a restauração e do aumento do controlo dos locais de preparação de caça.

Já o segundo eixo dedicado à preparação para a contingência, contempla o reforço da preparação dos serviços oficiais e peritos para responderem atempadamente em caso da deteção da peste suína e o desenvolvimento de uma plataforma informática de apoio aos planos de contingência.

“Aquilo que estamos a fazer é atuar preventivamente. Todos podemos contribuir para a prevenção, desde criadores, cidadãos, comerciantes a autoridades”, acrescentou Capoulas Santos. O governante avançou ainda que este plano é para decorrer entre 2019 e 2021, desejando que não seja necessária uma nova fase. “A matéria é ainda mais importante neste momento, quando o setor suinícola está a conhecer um bom momento, quando estamos a abrir mercados como é o caso do mercado chinês. Se tivermos a infelicidade da doença entrar aqui isso vai-nos impedir de exportar, o que pode provocar um desastre muito grande”, vincou.

A PSA esteve em Portugal durante 30 anos, tendo sido erradicada em 1996. O último foco foi detetado em 1999, mas foi de seguida erradicado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)