Rádio Observador

Liga Europa

Hazard continuou a ter encanto na hora da despedida e tornou a separação ainda mais difícil (a crónica da final da Liga Europa)

Depois de um arranque morno, o Chelsea marcou três golos em 15 minutos e venceu o Arsenal na final da Liga Europa. Hazard, que se despediu dos blues, bisou e tornou a separação (ainda) mais difícil.

O médio belga vai deixar o Chelsea depois de sete anos em Stamford Bridge

AFP/Getty Images

A escolha da cidade de Baku, a capital do Azerbaijão, para o local da final da Liga Europa da temporada que está agora a terminar fez correr muita tinta. Desde a praticamente anunciada ausência de Henrikh Mkhitaryan, por ser arménio, até aos apenas 20 mil bilhetes disponibilizados aos adeptos de Chelsea e Arsenal para um Olímpico de Baku com capacidade para 68 mil. Um pormenor, porém, foi passando algo ao lado das notícias, das reportagens e das coberturas: talvez por não afetar diretamente os países de origem dessas notícias, reportagens e coberturas. Em Portugal, no Reino Unido e na Irlanda, a final da Liga Europa arrancava às 20h; em grande parte do continente, o jogo começava às 21h; noutros países, às 22h; mas no Azerbaijão, para respeitar os compromissos televisivos, a final tinha início às 23h. Pela primeira vez na história das competições europeias, um jogo começou num dia e terminou deliberadamente no dia seguinte.

Mas esta não era a primeira estreia desta final totalmente inglesa. Também o VAR se estreava na Liga Europa, já que a derradeira partida era também a primeira da competição que contava com a ajuda do vídeoárbitro. Mas entre estreias, existia uma despedida que tomava protagonismo: Petr Cech, guarda-redes checo que anunciou a meio de janeiro que iria terminar a carreira no final da temporada, realizava o último jogo de um percurso louvável que contou com 15 anos de Premier League, espalhados entre Chelsea e Arsenal. Ora, eram precisamente essas as duas equipas que esta quarta-feira à noite se encontravam em Baku, o que garantia desde logo um final quase romântico à carreira de Cech. Unai Emery, o treinador dos gunners, deixou algum suspense no ar sobre a titularidade do guarda-redes — o checo é habitualmente suplente de Bernd Leno — mas acabou integrar o jogador no onze inicial. Ao defender as redes do Arsenal contra o Chelsea na final da Liga Europa, Cech despedia-se do futebol enquanto o único jogador da história a atuar por e contra a mesma equipa inglesa numa final europeia (esteve na final da Liga Europa de 2013, quando os blues bateram o Benfica).

Nos restantes onzes, Maurizio Sarri fez bluff durante toda a semana em relação à lesão de N’Golo Kanté — esta manhã, a imprensa inglesa garantia que o médio não estava apto para jogar a final — e acabou por incluir o francês na equipa titular, formando a linha de três no meio-campo com Jorginho e Kovacic. Na frente, Pedro, Giroud e Hazard formavam o trio ofensivo que completa o habitual 4x3x3 do treinador italiano e Willian, Higuaín e Ross Barkley eram os principais trunfos no banco de suplentes. Do outro lado, o Mr. Europa League Unai Emery (o técnico espanhol ganhou três das últimas quatro edições da segunda competição europeia de clubes) apostava na eficaz dupla Lacazette/Aubameyang. Özil era o elemento de ligação entre o setor intermédio e o mais adiantado, servindo quase como um segundo avançado, Kolasinac, Xhaka, Lucas Torreira e Maitland-Niles alinhavam no meio-campo. Iwobi, Lichtsteiner e Guendouzi começavam no banco.

O jogo arrancou algo morno, muito amarrado ao centro do relvado e a sobreviver à custa de uma enorme luta tática entre as duas equipas. Só a partir do primeiro quarto de hora, por intermédio do Arsenal, é que a partida começou a ser lateralizada e a bola entrou nos últimos 30 metros de um dos conjuntos. Lacazette pelo corredor esquerdo e Maitland-Niles pelo direito, já que Aubameyang ia procurando espaço em terrenos mais interiores, tentavam provocar desequilíbrios mas não conseguiram criar muito mais do que cruzamentos infrutíferos para a área de Kepa. Neste período de maior ascendente dos gunners, Aubameyang rematou muito ao lado quando estava em boa posição para atirar à baliza (10′) e Xhaka acertou de raspão na trave com um remate de muito longe, depois de fugir da esquerda para a faixa central (27′). À meia-hora de jogo, não existia qualquer remate enquadrado e ainda pouco se tinha visto do Chelsea.

O remate perigoso de Xhaka, contudo, parece ter tido um efeito catalisador nos blues — que perceberam que uma forma prática de não perder, aquilo que procuravam desde o apito inicial, era marcar golos e ganhar. O Chelsea atirou-se para o ataque e subiu as linhas, principalmente através da posição de Jorginho, que passou a pressionar uns metros à frente, e acabou por alcançar o primeiro remate enquadrado da final: Hazard descobriu Emerson na grande área, o italiano que nasceu no Brasil atirou de pé esquerdo e Cech encaixou (34′). O aviso estava feito e teve uma segunda versão, já que a equipa de Sarri percebeu que tinha encontrado as fragilidades defensivas do Arsenal que deixaram os gunners no quinto lugar da Premier League, fora das posições de acesso à Liga dos Campeões. Aos 40 minutos, a cinco do intervalo, Giroud protagonizou a melhor ocasião de golo da partida, criada a partir da melhor jogada da partida até então. Jorginho colocou em Hazard, o belga assistiu o avançado e o francês, isolado, atirou rasteiro para uma enorme defesa de Cech. No último jogo da carreira, o guarda-redes segurou o nulo no marcador com uma defesa que obriga a reflexos e elasticidade de um miúdo de 20 anos.

Na ida para o intervalo, o Chelsea estava totalmente solto e à procura do golo sem quaisquer reservas. Adivinhava-se um segunda parte mais descomplexada e aberta, já que o Arsenal precisava de arriscar e investir na criatividade de Aubameyang, Lacazette e companhia para fazer face ao superior ímpeto da equipa de Sarri. Os primeiros minutos do segundo tempo, porém, deixaram clara aquela que poderá ter sido a estratégia vencedora do treinador italiano: provocar um confronto tático nos instantes iniciais, aguentar a pressão adversária durante metade da primeira parte, desamarrar a equipa em busca dos erros defensivos do Arsenal e confiar na fantasia de Hazard, no crer de Pedro e na eficácia de Giroud. Foi este último tópico, o acerto do avançado francês, que acabou por dar ao Chelsea o golo da vantagem logo aos quatro minutos do segundo tempo.

Ficha de jogo

Chelsea-Arsenal, 4-1

Final da Liga Europa

Estádio Olímpico de Baku, no Azerbaijão

Árbitro: Gianluca Rocchi (Itália)

Chelsea: Kepa, Azpilicueta, Christensen, David Luiz, Emerson, Kanté, Jorginho, Kovacic, Pedro, Hazard, Giroud

Suplentes não utilizados: Caballero, Cumming, Marcos Alonso, Ross Barkley, Higuaín, Zappacosta, Willian, Cahill, Ampadu, Gallagher, McEachran

Treinador: Maurizio Sarri

Arsenal: Cech, Sokratis, Koscielny, Monreal, Maitland-Niles, Torreira, Xhaka, Özil, Kolasinac, Lacazette, Aubameyang

Suplentes não utilizados: Leno, Iliev, Elneny, Lichtsteiner, Iwobi, Mustafi, Welbeck, Jenkinson, Guendouzi, Nketiah, Willock, Saka

Treinador: Unai Emery

Golos: Giroud (49′), Pedro (60′), Hazard (65′ gp e 72′), Iwobi (69′)

Ação disciplinar: cartão amarelo a Pedro (56′), Christensen (68′)

Emerson, novamente Emerson, cruzou para uma zona ainda recuada da grande área do Arsenal e Giroud foi resgatar a bola quase ao chão, cabeceando colocado e sem hipótese para Cech. Depois de um sorriso instantâneo, o francês ajoelhou-se, fechou os olhos e pediu desculpa, recordando que trocou o Arsenal pelo Chelsea a meio da temporada passada. Com este golo, o avançado chegou aos 11 nesta edição da Liga Europa, tornando-se o melhor marcador da competição e o primeiro jogador a marcar tanto por um clube inglês na Europa desde 2004/05 (nessa época, Alan Shearer apontou 11 golos pelo Newcastle). A reação praticamente inexistente do Arsenal, já que Unai Emery aguentou a vontade irracional de fazer substituições de forma imediata, deixou o Chelsea muito confortável, muito fluido e muito tranquilo — algo que raramente se viu durante a temporada.

Kovacic recuperou muito bem a bola já no meio-campo do Arsenal, soltou Hazard no corredor esquerdo, o belga conduziu quase sem oposição até à grande área e colocou com qualidade um metro antes da marca de penálti, onde Pedro apareceu a rematar de pé esquerdo para o poste oposto e se tornou o primeiro jogador da história a marcar numa final da Liga dos Campeões e numa final da Liga Europa (60′). Cinco minutos depois, para quase desespero de Unai Emery, Maitland-Niles derrubou Giroud em falta no interior da grande área: o árbitro italiano Gianluca Rocchi não hesitou e assinalou grande penalidade e Hazard converteu no frente a frente com Cech. Só aqui, a perder por três golos de diferença, é que Emery decidiu mexer, trocando Monreal por Guendouzi, passando a jogar com quatro defesas, e o mais recuado Torreira pelo avançado Iwobi. O nigeriano inaugurou o marcador para o lado do Arsenal na primeira vez que tocou na bola — com um remate de belo efeito a partir da direita após uma bola perdida no seguimento de um livre (69′) — mas Hazard apressou-se a explicar que aquele era um golo de honra e não um golo que relançava uma final.

Apenas três minutos depois do golo de Iwobi, e já depois de Sarri trocar Pedro por Willian, o Chelsea recuperou a bola em zona alta, Hazard soltou para Giroud na esquerda, o francês devolveu para o coração da área e o belga rematou de primeira para o quarto golo dos blues. Emery ainda lançou Willock para o lugar de Özil, que em conjunto com Lacazette foi a personificação da exibição apagada do Arsenal, e o avançado que é irmão do jogador da equipa B do Benfica ainda foi a tempo de desperdiçar duas oportunidades de golo. O Chelsea não voltou a marcar e ainda concedeu espaço inconsequente aos gunners nos últimos minutos para acabou por vencer a Liga Europa, voltando às conquistas europeias que escapavam desde 2012/13 e adiando o hiato europeu do Arsenal que dura há 25 anos.

Numa final europeia totalmente inglesa, a despedida de Petr Cech — do Chelsea, do Arsenal, da carreira — foi repetida, sublinhada e recordada. Mas quase todos se esqueceram de que a final de Baku era também o palco de uma outra despedida: a despedida de Eden Hazard dos blues, já que o belga vai certamente deixar o clube londrino neste verão para rumar ao Real Madrid. Hazard despede-se com uma grande exibição, com um bis, com um troféu europeu, com a segunda temporada mais goleadora da carreira (21 golos) e com uma ovação dos adeptos no momento em que foi substituído por Zappacosta a escassos minutos do apito final. Stamford Bridge já ia ter saudades de Hazard mas o médio tornou a separação muito mais difícil.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)