Rádio Observador

São Tomé e Príncipe

Ilha do Príncipe e Sobral assinalam 100 anos da comprovação da teoria da relatividade

O eclipse solar ocorrido em 29 de maio de 1919 permitiu a duas equipas de astrónomos britânicos, uma na ilha são-tomense do Príncipe e outra em Sobral (Ceará) comprovar a teoria de Einstein.

O Espaço pretende “valorizar e reconhecer a herança científica, cultural e histórica da ilha do Príncipe”

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A ilha do Príncipe e a localidade brasileira de Sobral assinalam esta quarta-feira os 100 anos da comprovação da Teoria da Relatividade Geral de Einstein, uma “revolução científica” e um momento histórico no pós-Primeira Guerra Mundial.

O eclipse solar ocorrido em 29 de maio de 1919 permitiu a duas equipas de astrónomos britânicos, uma na ilha são-tomense do Príncipe – chefiada por Arthur Eddington – e outra em Sobral (Ceará) – liderada por Andrew Crommelin -, comprovar a teoria do encurvamento gravitacional da luz, formulada quatro anos antes pelo físico alemão Albert Einstein.

“A comprovação da Teoria da Relatividade Geral de Einstein, em 1919, mudou a visão que temos do Universo, em particular o conceito de gravitação, entendido de forma inovadora por Einstein, como uma deformação do espaço-tempo. [Na altura] há mais de dois séculos que estava vigente a teoria de Newton e esta comprovação mostrou que, em determinadas escalas do universo, essa não seria válida, mas sim a [Teoria da Relatividade] de Einstein”, explicou anteriormente à Lusa a coordenadora das celebrações na ilha do Príncipe, Joana Latas.

Esse momento foi ainda marcante, em termos históricos, referiu a professora de Matemática.

“Há 100 anos o mundo estava no pós-primeira Grande Guerra [1914-1918]. Esta expedição foi feita por britânicos e ficou comprovada uma teoria de um alemão, e por isso oriundos de dois países inimigos durante a guerra”, comentou, acrescentando que “a aceitação da Teoria da Relatividade Geral na comunidade científica acabou por ser muito gradual”.

Em São Tomé e Príncipe, as celebrações do centenário decorrem desde sábado e terminam esta quarta-feira, com a inauguração do Espaço Ciência Sundy, na roça com o mesmo nome – onde ocorreu a observação do eclipse –, com a presença do Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, e do chefe de Estado de São Tomé e Príncipe, Evaristo Carvalho.

O Espaço pretende “valorizar e reconhecer a herança científica, cultural e histórica da ilha do Príncipe”, disponibilizando uma exposição interativa sobre o fenómeno.

A cidade brasileira do Sobral recebeu nos últimos dias palestras, mostras sobre Astronomia, Astrofísica, História do eclipse de 1919, Relatividade Geral e Cosmologia, assim como o lançamento de livros sobre o tema, numa parceria entre a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, a Prefeitura de Sobral e o Governo do estado do Ceará.

Para esta quarta-feira, entre outros eventos, está prevista a realização, no Theatro São João, da ‘Global Opera in Science’, com transmissão simultânea em Sobral, Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, Ilha do Príncipe e Noruega, e que conta com a participação de alunos dos dois países.

Será ainda reinaugurado o Museu do Eclipse, com apresentação da Orquestra da Universidade Federal do Ceará.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)