Rádio Observador

MINI

Mini eléctrico está pronto e é igual aos gasolina

O Mini Cooper SE, o novo eléctrico da marca britânica está pronto e em fase de ser fotografado e filmado para o lançamento. Deverá ser igual às versões a gasolina e terá mais autonomia que o previsto.

A Mini já tinha produzido uma série limitada a 500 unidades do Mini E, um eléctrico a bateria específico para o mercado californiano, em 2008. Na altura, à semelhança da concorrência que queria vender na costa Oeste do continente americano, a experiência visou ultrapassar a legislação do Estado. Mas, desta vez, é diferente.

A Mini necessita – como todos os fabricantes europeus – de vender no seu principal mercado veículos que não emitam dióxido de carbono (CO2), isto se quer respeitar o imposto de 95 g/km de CO2 para toda a gama, o que torna imperativo muitos eléctricos e ainda mais híbridos plug-in (PHEV).

O novo Mini eléctrico, denominado Cooper SE, que será comercializado a partir do final de 2019, foi há muito apresentado enquanto protótipo. Então, em 2017, era apelidado Mini Electric Concept, com uma carroçaria obviamente de um Mini, mas estilizada e mais clean, com soluções distintas e mais elaboradas ao nível dos faróis, grelha, painéis laterais e traseiros. Em resumo, um Mini, mas moderno. Contudo, o Cooper S E é na realidade um Mini como qualquer outro, a gasolina ou diesel o que não é necessariamente mau, pois os modelos de três portas do construtor inglês do Grupo BMW sempre tiveram na estética um dos seus principais atributos.

Contudo, para quem prefira um eléctrico que seja diferente das restantes versões com motores de conversão, fica aqui limitado à grelha tapada e com elementos num amarelo vistoso e jantes distintas.

A marca libertou entretanto um vídeo da linha de produção em Oxford, onde gera cerca de 200.000 Mini por ano. De acordo com as informações disponíveis, uma vez que a marca continua a esconder alguns trunfos do novo eléctrico, o Mini Cooper S E poderia ter uma bateria de 34 kWh de capacidade, o que lhe garantiria uma autonomia ridícula de 200 km, como o Mini E e como foi igualmente revelado com as primeiras informações do novo Mini eléctrico. Porém, as críticas foram tão más – entre as quais as nossas, no Observador – que a Mini pode ter revisto as suas opções. Solução mais fácil do que parece, pois a tecnologia das baterias evoluiu de tal forma que permite ter o dobro da capacidade no mesmo volume. Basta ver o Zoe, que trocou as antigas baterias de 22 kWh pelas novas de 41 kWh, apesar destas ocuparem o mesmo volume das anteriores.

Há quem defenda que o novo Mini Cooper SE vai montar o motor mais recente do BMW i3S, aquele com 184 cv, e o pack de acumuladores com 44 kWh (e 120 Ah). Isto permitirá elevar a autonomia de 200 para 274 km, um valor substancialmente mais interessante, para um eléctrico que promete tornar-se um carro da moda, mesmo ainda antes de aparecer no mercado, o que acontecerá no final deste ano ou, mais tardar, nos primeiros meses de 2020.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)