Rádio Observador

Caixa Geral de Depósitos

Operação Boats Caravela que perdeu 340 milhões. Comissão da Caixa quer ouvir Vieira Monteiro

131

Operação gerou perdas de 340 milhões à Caixa. Tomás Correia disse que gestores não foram avisados, mas admitiu "erro monumental". Comissão chama Vieira Monteiro que tinha o pelouro financeiro à data.

JOÃO SEGURO/OBSERVADOR

A comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa Geral de Depósitos vai chamar António Vieira Monteiro, antigo vice-presidente do banco com a tutela da direção financeira do banco quando foi aprovada a contratação de um produto complexo com o Crédit Suisse que veio gerar perdas de 340 milhões de euros, conhecido como Boats Caravela.

A audição foi pedida por um requerimento apresentado pelos socialistas que chamam o presidente não executivo do conselho de administração do Santander Totta na comissão parlamentar de inquérito à Caixa depois da audição a Tomás Correia, que fez parte da administração da Caixa quando essa operação foi aprovada no final de 1999.

Para além de Vieira Monteiro, e de perguntas que deverão ser dirigidas por escrito ao ex-presidente da Caixa nesta data, João Salgueiro sobre o tema, a comissão vai também ouvir outra vez Faria de Oliveira, presidente da Caixa entre 2008 e 2012, e Cabral dos Santos, antigo diretor de crédito de grandes empresas, cuja segunda audição foi pedida pelo PSD. As segundas audições são pedidas na sequência de outros testemunhos ouvidos entretanto pelos deputados e que suscitaram novas questões a esclarecer com estes dois antigos responsáveis.

Sobre a operação Boats Caravela, Tomás Correia assegurou esta terça-feira que nem ele, nem outros administradores tiveram conhecimento ou foram avisados na apresentação do produto para essas cláusulas que terão sido da responsabilidade da direção financeira do banco que à data era tutela de António Vieira Monteiro. E defendeu que se tivessem sabido nunca teriam aprovado.  Mas não conseguiu dar mais explicações sobre quem terá sido responsável pela operação que reconheceu ter sido um “erro monumental”.

O antigo administrador da Caixa garantiu ainda que o conselho do qual fez parte e que era liderado por João Salgueiro não foi avisado para os riscos desta operação e que aquilo que foi aprovado não corresponde ao que acabou por ser contratado com o banco suíço.  Segundo Tomás Correia, o problema estava deste produto estava no contrato de gestão conferido ao Crédit Suisse que lhe dava discricionaridade para trocar os ativos e títulos que compunham o veículo da qual a Caixa subscreveu unidades de participação. Essa margem permitia ao banco suíço colocar ativos de má qualidade sem o controlo do banco português que tinha de assumir as perdas.

Este produto foi contratado como uma operação de tesouraria para evitar o reconhecimento de perdas em títulos de dívida pública que obrigaram a constituir provisões em subsidiárias da Caixa, mas acabou por provocar perdas nos quatro anos seguintes que foram provisionadas por ordem do Banco de Portugal, até ser vendido ao Crédit Suisse.

Para o deputado socialista João Paulo Correia, este produto representa uma das maiores perdas em operações individuais sinalizadas na auditoria da EY à gestão do banco. Para além da audição de Vieira Monteiro, e das perguntas a João Salgueiro, os socialistas pediram também o contrato assinado entre a Caixa e o Crédit Suisse First Boston, a ata do conselho diário de 14 dezembro que aprovou a operação e a respetiva ficha técnica.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)