Rádio Observador

Cultura

EDP Live Bands: girl power vence noite de talento e união

392

Na sua primeira vez juntas em palco, a dupla y.azz e b-mywingz venceu a 6ª edição do EDP Live Bands, e segue para o NOS Alive. A principal campeã da final, ainda assim, foi a camaradagem.

Paulo Alexandre Coelho /EDP

O sabor da vitória chegou com lágrimas nos olhos, sorrisos rasgados de orelha a orelha, abraços apertados, gritos na plateia e um discurso repetitivo que deixa a descoberto a surpresa – boa, claro — que foi alcançar este sonho. “Isto é lindo, isto é lindo, isto é lindo”, diz em palco Margarida Adão, no momento decisivo da final da sexta edição do EDP Live Bands, que trouxe boas energias e muito talento à Lx Factory. Assume o nome de b-mywingz e, a par de y.azz (Mariana Prista), é metade da dupla vencedora do concurso que este ano sagrou campeão o girl power, depois das atuações de Bocomoco, Democrash, CATE, Vasco Vilhena, Duo Ventura & Pitomba e Francisco Primeiro & Os Algazarra, os restantes finalistas.

Créditos: Paulo Alexandre Coelho /EDP

Os próximos passos desta caminhada que se antevê longa passam por atuar no NOS Alive, em Algés, e no Mad Cool Festival, em Madrid, gravar um disco com a Sony Music, apresentá-lo nas FNAC de norte a sul e gravar um teledisco. Mariana e Margarida chegaram, viram e venceram. Literalmente. Esta foi — imagine-se — a primeira vez que subiram juntas a um palco. “Estamos muito agradecidas. À EDP, aos apoiantes, aos jurados. Foi uma noite incrível”, explica b-mywingz, depois de atuar Cycles e Colours na Fábrica L.

Créditos: Paulo Alexandre Coelho /EDP

Mariana Prista sublinha o espírito saudável que se viveu nesta edição do EDP Live Bands, o projeto que assinala meia década (2014 a 2019) e chegou ao Brasil (2016 a 2019) e a Espanha (2018 e 2019).

As bandas vencedoras de 2019

O sangue novo da música mundial também passa por aqui. Conheça as bandas vencedoras do EDP Live Bands’19:

Portugal (324 bandas inscritas)
Vencedores: y.azz e b-mywingz 

Brasil (1736 bandas inscritas)
Vencedores: ETC 

Espanha (274 bandas inscritas)
Vencedores: Los Beluga 

“Nem pareceu uma competição. Passámos o dia todos juntos, a aprender com os especialistas e ouvir os seus conselhos. Não estava nada à espera de que o ambiente fosse tão bom e amigável”, relata a jovem vocalista da dupla vencedora, que mereceu a distinção máxima do júri, e que nasceu na capital há cerca de um ano.

Na final do concurso, respirou-se música na Lx Factory, com direito a casa composta. Do lado de trás do palco, nervosismo. Em cima deste e à sua frente, adrenalina e alegria. Uns dançam tímidos, outros sem pudores. Selfies e gargalhadas em grupo. Fatos executivos ao lado de casacos de cabedal. Famílias. Amantes de música de todas as idades. Alguns vêm com a lição estudada de casa e já cantam as letras dos temas dos finalistas. “Só mais uma, só mais uma”, ouvem-se gritar, no final de uma das atuações. E aplausos. A final do EDP Live Bands fez-se de muitos aplausos.

Créditos: Paulo Alexandre Coelho /EDP

Tiago Bettencourt, convidado especial do júri deste ano, destaca a qualidade dos novos talentos a concurso. “É bom que haja este tipo de projetos, fora dos concursos de televisão, que são uma fábrica de clones. O giro nestas iniciativas é a versatilidade destes artistas. É muito engraçado ver os estilos e as imagens de cada um. Tivemos aqui de tudo”, explica ao Observador LAB o cantor, que também tocou ao vivo. “Verdade, originalidade e a capacidade de cativar” foram os elementos que mais analisou na noite da final.

Churky, o vencedor da edição do ano anterior, com o novíssimo disco É, e com os próximos concertos marcados para Faro, Sagres e o EDP Cool Jazz, concorda com Bettencourt. “Não é que não notasse isso nos anos anteriores, mas são todos muito bons na edição deste ano. A qualidade é grande”, frisa o jovem compositor, ressalvando que “tem corrido tudo muito bem” desde a vitória, há um ano.

Créditos: Paulo Alexandre Coelho /EDP

Ana Sofia Vinhas, Diretora de Marca da EDP e uma das juradas, explica que o “balanço da edição de 2019 não poderia ser mais positivo”. Os números falam por si. Inscreveram-se na edição de Portugal 324 bandas — o maior número até agora — e cerca de 65 mil pessoas votaram para apurar os finalistas. “Nós assumimo-nos como energia oficial da música. Acreditamos que música é cultura. E cultura é desenvolvimento de uma sociedade. Esta é a nossa forma de dar à sociedade aquilo que esta nos dá a nós. Criar este tipo de projetos é só mais um de muitos passos nesse sentido”, afirma Ana Sofia Vinhas.

Créditos: Paulo Alexandre Coelho /EDP

Para Mariana e Margarida, as duas vencedoras da noite, este também é o primeiro de muitos passos. “Agora, é trabalhar e ensaiar muito para que estejamos no NOS Alive em peso. Somos a banda com menos experiência de palco no concurso e acho que tudo se consegue com trabalho. Acredito muito nisso”, confidencia, entusiasmada, Margarida Adão, que já só pensa no concerto em Algés. Afinal, é ali que remontam muitas boas memórias, em especial o concerto de The Weeknd, de quem é “muito fã”. Já a vocalista, Mariana, prefere não destacar um espetáculo que a tenha marcado neste festival. E fá-lo com razão. “A melhor memória ainda está para criar e será a deste ano”, remata.

Créditos: Paulo Alexandre Coelho /EDP

A noite de 24 de maio é mais uma prova de que, muito mais do que um simples concurso, o EDP Live Bands é, neste momento, a maior plataforma de lançamentos de novas bandas, artistas e projetos musicais emergentes em Portugal. No total, conta com doze edições realizadas nas três geografias onde está presente – seis no nosso País, quatro no Brasil e duas em Espanha, ajudando, anualmente, milhares de bandas a mostrarem ao mundo a sua música e arte.

Créditos: Paulo Alexandre Coelho /EDP

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)