Rádio Observador

Construção

Faturação do setor do betão pronto cresceu 24% para 283,5 milhões de euros

João Pragosa revelou que o setor do betão pronto tem vindo a recuperar da crise, com a faturação a crescer 24%, e agora o maior desafio para as empresas está relacionado com o transporte do material.

Hoje tem lugar o Dia do Betão, que reúne as principais empresas do setor, na Batalha

Autor
  • Agência Lusa

O setor do betão pronto tem vindo a recuperar da crise, com a sua faturação a crescer 24% no ano passado, para os 283,5 milhões de euros, adiantou à Lusa o presidente da APEB – Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto.

João Pragosa revelou que estes valores, ainda preliminares, mostram uma recuperação do setor, que se tem vindo a dar nos últimos anos.

“Os dados de 2013 e 2014 são muito baixos e nos últimos três anos é que houve crescimento. Mas ainda não para níveis pré-crise”, referiu.

Na pior fase, “houve muitas empresas de pequena dimensão a fechar, outras, familiares, que se conseguiram aguentar e algumas que foram adquiridas por companhias de maior dimensão”, contou o responsável..

Além disso, durante a crise houve uma “redução muito significativa” nas pessoas afetas à atividade das empresas.

Neste momento, o maior desafio para as empresas de betão pronto está relacionado com o transporte deste material.

A APEB tem levado a cabo um trabalho junto da Assembleia da República e do Governo, que vai no sentido de um aumento dos pesos permitidos, que a entidade diz serem compatíveis com a manutenção das infraestruturas de transportes.

“Com viaturas novas e dimensionadas para esta alteração”, acredita o dirigente associativo, a “distribuição de pesos, cumprindo alguns requisitos, permite aumentar o peso máximo”, referiu João Pragosa.

A APEB quer também uma maior flexibilização dos tempos de condução, tendo em conta as especificidades do setor.

“Um camião de betão pronto não pode ir do Minho ao Algarve. Não há forma de manter a qualidade do produto. No máximo estamos a falar de 60 quilómetros do centro de produção, com raios de transporte sempre muito curtos, a uma média que está nos 15 quilómetros”, avançou o responsável.

“Há outras atividades, como esperar para carregar, carga e descarga e o sistema de lavagem. Em tempo de condução é inferior a 50% do dia de trabalho”, garantiu.

Isto porque o betão pronto deve ser aplicado o mais depressa possível, porque depois perde algumas das suas características. Esta questão faz também com que seja difícil de exportar, de acordo com João Pragosa, ao contrário de um dos seus componentes mais conhecidos, o cimento, que apresenta uma durabilidade elevada.

Para a APEB, a flexibilização das regras de transporte deste material geraria uma “redução de importação de combustíveis, de petróleo das emissões de CO2”.

Em causa está a diminuição do tráfego, com uma redução de 86 mil viagens por ano, a compra de menos 980 mil litros de gasóleo por ano e menos 2,8 mil toneladas de CO2eq (equivalente de dióxido de carbono), esclarece a associação.

A APEB tem 17 empresas que representam mais de 80% do setor, sendo que, em Portugal, este segmento emprega cerca de 1.800 trabalhadores diretos.

Hoje tem lugar o Dia do Betão, que reúne as principais empresas do setor, na Batalha.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)