O PS alarga o fosso para o PSD, de acordo com a sondagem da Pitagórica para a TSF e o JN, tendo quase o dobro das intenções de voto. Se a eleição se realizasse agora, o PS deveria alcançar os 40,4%, face aos 22,5% dos sociais-democratas. Valores que, ainda assim, dificilmente permitiriam uma maioria absoluta.

Os dados mostram que o PS sobe três pontos percentuais relativamente à sondagem de abril; sete pontos face às eleições Europeias; e oito pontos na comparação com as legislativas de 2015. Mais: o JN conclui que a subida de António Costa no último mês acontece à custa de Rui Rio. O PS sobe três pontos desde a última sondagem da Pitagórica, em abril, os mesmos três que o PSD perde.

Em terceiro lugar, tal como nas Europeias, surge o Bloco de Esquerda, com 8,2% das intenções de voto, seguido de CDU (6,5%), CDS (6,1%) e PAN (3,6%). A Aliança teria 1,5%, mantendo a possibilidade de eleger Santana Lopes, de acordo com a TSF.

O estudo da Pitagórica mostra que ainda há 16,7% de indecisos, embora signifique uma queda face aos 21,3% de abril. As percentagens são mais elevadas sobretudo entre mulheres (19,5%), jovens (acima de 20% entre os 18 e os 34 anos), e em Lisboa (22,4%).