Donald Trump escreveu esta quinta-feira no Twitter que a Rússia o ajudou-o a ser eleito. Mas, cerca de uma hora depois, recuou. A gafe, no entanto, estava feita.

Trump escreveu: “Rússia, Rússia, Rússia! Foi tudo o que ouvimos no início desta Caça às Bruxas… E agora a Rússia desapareceu porque eu não tive nada que ver com o facto de a Rússia ter-me ajudado a ser eleito. Foi um crime que não existiu”, comentou o presidente norte-americano em reação ao relatório do ex-procurador especial Mueller.

Pouco tempo depois, à saída da Casa Branca, Donald Trump recuou: “Não, a Rússia não me ajudou a ser eleito. Eu é que me ajudei a ser eleito”, disse aos jornalistas presentes, menos de uma hora depois de ter publicado o tweet.

Para o The New York Times, o comentário original é uma “extraordinária admissão” de Trump, que tem constantemente evitado falar na intervenção russa, a seu favor, nas eleições presidenciais em 2016.

A investigação especial ao caso, cujo relatório foi apresentado há uma semana, não conclui que tenha existido qualquer crime. Mas Robert Mueller, que se reformou veio esta quarta-feira falar pela primeira vez sobre estas conclusões, dizendo que “se tivéssemos confiança de que o Presidente não cometeu um crime, tê-lo-íamos dito”.

Mueller insiste: “Se tivéssemos confiança de que o Presidente não cometeu um crime, tê-lo-íamos dito”