Quando lhe vandalizam a pintura do carro, é necessário ter sorte com o vândalo que lhe calha, pois às vezes há males que vêm por bem. Imagine-se dono de um Lamborghini Aventador SVJ, que é “só” a versão mais potente do melhor desportivo da marca italiana, equipado com um motor V12 atmosférico com 6,5 litros e 770 cv. Agora coloque-se na pele do proprietário de um “bicho” destes, capaz de atingir 350 km/h e os 100 km/h ao fim de apenas 2,8 segundos, pelo qual em Portugal teria de pagar mais de meio milhão de euros, e vê alguém grafitar-lhe o Aventador com spray. Em condições normais, seria necessário uns largos milhares de euros para repintar o superdesportivo italiano, devolvendo-lhe o aspecto original.

Sucede que quem mudou o visual do Lamborghini com spray foi Alec Andon, um conhecido artista urbano de Nova Iorque, conhecido como AlecMonopoly. Como sumidade que é na arte do grafitti, o artista destruiu a pintura original do Aventador, mas os seus riscos e desenhos tornaram o Lamborghini ainda mais valioso, pelo que depois do baque inicial, o dono até deve ter ficado agradado com a surpresa.

AlecMonopoly, cujo nome artístico revela uma paixão pelo popular jogo de mesa – provavelmente por lhe ter dedicado longas horas em companhia dos seus pais, uns ricos financeiros americanos –, é conhecido pelo seu boneco do “homem do Monopoly”, que mais parece uma personagem do Tintim, de smoking e cartola. Segundo Alec, a inspiração para esta personagem não lhe veio dos pais, mas sim de Bernie Madoff, que por esta altura, para ser rigorosamente representado, deveria surgir vestido com um macacão cor de laranja com o número 61727-054 ao peito, uma vez que Madoff está preso desde 2009, com “estadia” prevista até 2139, depois de cumprir uma pena de 150 anos por brincar ao monopólio com o dinheiro alheio.