Rádio Observador

Enfermeiros

Enfermeiro quer correr 350 km para recolher ameaças de demissão de “milhares” de enfermeiros

1.338

Duarte Barbosa planeia recolher assinaturas entre Porto e Lisboa, com uma ameaça no bolso: ou o executivo aceita as exigências do setor ou os enfermeiros que o apoiarem apresentam a demissão.

Duarte Barbosa é enfermeiro há 23 anos e trabalha no Hospital São João, no Porto

Todos os anos faz uma corrida solidária, mas desta vez vai correr em causa própria. Duarte Barbosa é enfermeiro e planeia percorrer em julho os 350 quilómetros que separam o Hospital São João, no Porto, e a Assembleia da República, em Lisboa. O objetivo é confrontar o Governo com um conjunto de exigências.

Pelo caminho, o enfermeiro de 47 anos quer convencer milhares de profissionais do setor a assinar uma declaração de demissão se o executivo de António Costa não ceder às propostas do setor. “Levarei comigo toda a força de uma classe e milhares de assinaturas de um aviso de despedimento coletivo, com o prazo de dois meses”, afirmou o enfermeiro num anúncio que publicou no Facebook.

Entre 2 e 11 de julho, pretende passar por vários hospitais entre Porto e Lisboa, onde vai recolher assinaturas de profissionais que estão descontentes e que estejam dispostos a colocar a carreira à disposição a 11 de setembro. “Iremos dar ao Governo dois meses para dignificar a nossa profissão, atendendo a esse conjunto de exigências.”

Ao Observador diz que está consciente das pressões que vai receber com a mediatização do desafio. “Estou a passar por cima de sindicatos e a reunir milhares de enfermeiros por um objetivo.” A pouco mais de um mês do início da corrida, admite já ter recebido “avisos” para não avançar, mas diz que não quer recuar.

Duarte Barbosa conta com um grupo de apoiantes, responsáveis por redigir a declaração de intenções que os enfermeiros poderão subscrever, e onde vão constar as propostas que querem apresentar ao Governo. Ainda reservado nos pormenores, o profissional do Porto adianta apenas que estarão incluídos pontos como a redução da idade da reforma e a reavaliação da carreira. Como exemplo aponta o diploma recém-publicado no Diário da República que reconhece a categoria de enfermeiro especialista, mas que Duarte Barbosa considera insuficiente. “No fundo, continua tudo na mesma. Continua a ser apenas mais 50 euros sobre o salário-base”, afirma.

“Está nas mãos do Governo decidir: ou a dignificação de uma profissão já por demais ultrajada e esquecida ou a queda do Serviço Nacional de Saúde.”

Para Duarte Barbosa, um corredor experiente, o maior desafio não é fazer os 350 quilómetros. Tudo pode ficar em causa se não conseguir reunir os milhares de assinaturas que pretende. “Se no fim da corrida tiver 150 [assinaturas], não entrego. Os que subscreverem garantidamente apresentam a demissão a 11 de setembro.”

O enfermeiro do Porto quer ser um dos rostos de uma batalha travada há vários anos entre os profissionais de enfermagem e o Governo, mas que ganhou contornos mais extremos desde a chamada “greve cirúrgica”, que paralisou blocos operatórios de vários hospitais no final de 2018. Este ano ficou marcado por vários períodos de protesto dos enfermeiros, propostos por diferentes órgãos sindicais: em janeiro, uma segunda “greve cirúrgica” fazia adiar milhares de cirurgias e, em maio, a Federação Nacional dos Sindicatos dos Enfermeiros [FENSE] chegou a convocar uma greve de zelo, depois de ter acusado o Ministério da Saúde de falta de diálogo com os sindicatos e de não dar seguimento às reivindicações.

Entre altos e baixos nas negociações, as reivindicações eram sempre as mesmas. Os enfermeiros pediam uma reavaliação da idade da reforma para os 57 anos e 35 horas de trabalho, a criação de uma nova tabela salarial — com um aumento de 400 euros sobre os atuais 1201 euros líquidos da categoria-base e, principalmente, o reconhecimento da categoria de enfermeiro especialista.

A última proposta foi publicada em Diário da República na última segunda-feira, dia 27, mas não agradou aos sindicatos nem à Ordem dos Enfermeiros. “Continuamos a ser tratados como profissionais com valores salariais mais baixos”, lamentou Lúcia Leite, da Associação Sindical Portuguesa dos Enfermeiros [ASPE]. É desse descontentamento que Duarte Barbosa quer partir, em representação de um setor que descreve como insatisfeito e desvalorizado.

O enfermeiro do Porto recupera o tipo de protesto protagonizado por uma só pessoa, tal como fez Carlos Ramalho, presidente do Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (SINDEPOR), que em fevereiro iniciou uma greve de fome em frente ao Palácio de Belém. No caso de Duarte Barbosa, o estômago dá lugar aos pés. Quer levar consigo uma ameaça de demissão de milhares de enfermeiros.  “Esta é a maior luta que eu alguma travei, contra uma ditadura camuflada e contra um país que teima em ignorar os enfermeiros”, diz.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: lvfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)