O juiz Neto de Moura, que minimizou um caso de violência doméstica porque a mulher agredida cometeu adultério e retirou a pulseira eletrónica a um condenado que agrediu a mulher, vai processar a líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, e o humorista Diogo Batáguas.

A notícia é avançada pela TSF e o juiz continua assim a preparar os processos que irá apresentar em tribunal contra aqueles que considera que se excederam nas críticas que lhe fizeram dadas as polémicas.

O advogado do juiz, Ricardo Serrano Vieira, detalhou à TSF que o prazo para apresentar os processos é de três anos, mas que o objetivo passa por entregá-los até ao final deste ano.

Os alvos dos processos ainda estão a ser estudados tendo em conta o que foi escrito ou dito na internet, jornais, rádios e televisões. O nome de Catarina Martins e de Diogo Batáguas terá sido adicionado à lista nos últimos três meses. O humorista Diogo Batáguas tem forte presença na Internet, com especial destaque no Youtube. Em fevereiro, o humorista publicou um vídeo onde critica e goza com o juiz — vídeo esse que conta já com mais de 161 mil visualizações.

Desde março que se sabe que os outros alvos são os humoristas Ricardo Araújo Pereira e Bruno Nogueira, a deputada Mariana Mortágua e os comentadores Joana Amaral Dias e Manuel Rodrigues, que já tinham criticado publicamente o juiz.

O valor das indemnizações a pedir ainda não é conhecido, mas será diferente conforme o dano causado pelos visados ao juiz do Tribunal da Relação do Porto, refere a TSF.

O objetivo é processar todos os que, segundo Neto de Moura, ultrapassaram os limites da liberdade de expressão.