Rádio Observador

Uber

Uber vai ter mais 1.000 bicicletas elétricas Jump em Lisboa

187

Os novos modelos das bicicletas elétricas partilháveis da Uber foram produzidos em Portugal e têm novas funcionalidades. Toda a área urbana de Lisboa fica coberta com este serviço.

As bicicletas têm um custo de utilização de 15 cêntimos por minuto e não têm custo de desbloqueio

As bicicletas elétricas partilháveis da Uber, as Jump, vão estar disponíveis em toda a área urbana de Lisboa. Depois de o serviço ter arrancado, em fevereiro, com 750 veículos disponíveis apenas em algumas zonas da cidade, a empresa anuncia agora que tem mais 1.000 bicicletas para distribuir por Lisboa. As 1.750 bicicletas vão estar operacionais a partir de 1 de junho.

Os novos modelos das Jump foram produzidos em Portugal, têm ligação 4G e incluem novas funcionalidades como suporte para telemóvel (para que seja mais fácil recorrer ao GPS), um painel frontal que permite desbloquear a bicicleta com um código QR (em vez de inserir um pin), um novo sistema de carregamento que evita que sejam recolhidas apenas para esse efeito e um sistema “cable lock”, ou seja, tem um novo cabo já integrado para prender a bicicleta a uma estrutura.

A experiência de condução será ainda mais fiável, já que a partir de agora a bicicleta consegue auto-diagnosticar as falhas mais comuns. E com conectividade total, a nossa frota está mais inteligente e segura, já que utilizamos os dados de diagnóstico em tempo real de cada veículo para otimizar o seu desempenho com algoritmos que vão diretamente para a nossa cloud”, afirma Ryan Rzepecki, cofundador e CEO da JUMP, startup que foi comprada pela Uber em abril de 2018 por cerca de 200 milhões de dólares, segundo o TechCrunch.

Lisboa foi a primeira cidade europeia a receber as bicicletas 100% elétricas da marca, que permitem viajar a uma velocidade até 25 quilómetros por hora. No final de cada viagem, os utilizadores têm obrigatoriamente de prendê-las com um cadeado ao mobiliário urbano existente ou criado para o efeito.

Miguel Gaspar, vereador da Mobilidade e Segurança da Câmara Municipal de Lisboa, também anunciou em fevereiro, aquando do lançamento das Jump em Lisboa, que aos 3 mil sítios disponíveis para estacionamento de bicicletas, a autarquia está a trabalhar em mais 4 mil locais. Mas não se comprometeu com datas.

As bicicletas da Uber estão disponíveis na app da plataforma durante 24 horas por dia e têm um custo de utilização de 15 cêntimos por minuto, sem custo de desbloqueio.

A Uber chegou a Portugal em julho de 2014 e está presente  nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, no Algarve, Braga, Guimarães e Coimbra, onde concorre com apps como a Bolt, Kapten ou Cabify no serviço de transporte de passageiros.

Por enquanto, as bicicletas Jump só estão disponíveis em Lisboa. Na capital, competem com as Gira, geridas pela EMEL – Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)