Rádio Observador

Hóquei em Patins

Benfica “vinga” Liga Europeia, goleia Sporting e vai jogar final da Taça de Portugal com a Oliveirense

549

Depois das derrotas no Campeonato e nas meias da Liga Europeia, Benfica ganhou de forma concludente dérbi com Sporting por 7-3 e vai jogar final da Taça de Portugal com a Oliveirense este domingo.

À quarta foi de vez: depois de um empate e duas derrotas nos três primeiros dérbis, Benfica conseguiu vencer Sporting

Carlos Manuel Martins

Depois do empate a abrir o Campeonato no Pavilhão João Rocha, o Sporting conseguiu ser superior nos dois dérbis seguintes, na Luz para o Campeonato (4-1) e em Alvalade a contar para as meias da Liga Europeia (5-4). Pelo meio e depois, o FC Porto foi campeão nacional, os leões voltaram a ganhar o título europeu 42 anos depois e as águias, que trocaram de treinador a meio da época (Pedro Nunes saiu, Alejandro Domínguez entrou), terminaram com a maior distância dos últimos anos em relação ao primeiro lugar e tinham como único objetivo possível alcançarem a Taça de Portugal. Não falharam: numa das melhores exibições da temporada, os encarnados golearam o Sporting por 7-3 e ficaram apurados para a final com a Oliveirense.

Os leões, que tinham em Pedro Gil uma ausência de vulto (sobretudo nos jogos grandes o espanhol continua a ser o motor da equipa, como se viu na Final Four da Liga Europeia), entraram melhor e tiveram em Ferrant Font a principal figura nos minutos iniciais: depois de ganhar uma bola a Nicolia que valeria o azul ao argentino por falta quando o espanhol ia arrancar isolado para a baliza, o número 4 inaugurou o marcador de livre direto (6′) e foi fundamental no 2-0 apenas dois minutos depois, numa saída rápida com assistência para Platero antes de Pedro Henriques, com a baliza fora do sítio, não travar o desvio.

Nesse mesmo oitavo minuto, Toni Pérez viu azul por falta sobre Diogo Rafael, Lucas Ordoñez não conseguiu marcar o livre direto e seria preciso uma paragem do técnico Alejandro Domínguez para haver outro tipo de movimentações na situação de power play, que resultou no 2-1 apontado por Carlos Nicolía com muitas culpas de Ângelo Girão à mistura (10′). O golo fez bem à equipa encarnada, que ganhou um novo ânimo para o encontro e chegou mesmo ao empate três minutos depois, com outra assistência do também inspirado Nicolía para Vieirinha tornear o guarda-redes leonino e empurrar para o 2-2.

Depois de uma vantagem de dois golos, o Sporting viu tudo voltar à estaca zero num ápice e teve dificuldades em reentrar no jogo, deixando que as emoções e os protestos levassem a melhor como aconteceu aos 17′, quando Raúl Marin viu um duplo azul após uma falta sobre Ordoñez que motivou muitos protestos por parte dos jogadores e do banco verde e branco. Jordi Adroher foi o escolhido para a conversão desse livre direto e não perdoou, assinando a reviravolta no marcador e beneficiando ainda da vantagem numérica no rinque, aproveitada por Ordoñez para fazer o 4-2 a três minutos do intervalo.

O encontro continuava com um ritmo de loucos e muitos protestos das hostes leoninas, então por uma grande penalidade (com azul) por assinalar por falta clara de Nicolía sobre Ferrant Font na área com o stick que ficou por assinalar, mas uma falta de Adroher sobre Ferrant Font valeu também cartão azul ao número 7 das águias e um livre direto onde o espanhol voltou a ser superior a Pedro Henriques, marcando em habilidade o 4-3 dentro de um último minuto antes do intervalo que teria ainda mais um golo, com Nicolía a bater de primeira num livre direto após a décima falta do conjunto de Paulo Freitas que o argentino aproveitou da melhor forma para levar o encontro para o descanso com dois golos de diferença.

No segundo tempo, com o ritmo da partida a baixar de forma natural não só pelo desgaste dos 25 minutos iniciais mas também pelo calor que se fazia sentir em Oliveira de Azeméis, o Sporting até entrou melhor e andou perto do 5-4 em mais do que uma ocasião mas seria o Benfica a chegar ao 6-3 num grande golo de Lucas Ordoñez, a rodar fora da área para disparar um autêntico míssil ao ângulo da baliza de Girão (31′). Os minutos foram passando, com os leões a revelarem cada vez menos crença (e arte) para promoverem mais uma reviravolta no marcador e seriam mesmo as águias, numa grande penalidade muito duvidosa bem marcada por Nicolía, a fazerem o 7-3 final entre várias oportunidades falhadas pelos dois conjuntos, entre as quais um livre direto de Ferrant Font e uma grande penalidade de Raúl Marin que Pedro Henriques conseguiu defender.

No outro encontro desta Final Four, que foi jogada antes do dérbi, a Oliveirense, que organiza esta fase decisiva da competição, venceu o Riba D’Ave por 4-2, depois de sair a perder ao intervalo por 1-0 com golo de Hugo Azevedo logo aos 3′. Jorge Silva (34′), Marc Torra (que regressou em grande à competição depois de um problema cardíacos, 39′ e 45′) e Jordi Bargalló (46′) deram a volta ao resultado depois de Miccoli ter de novo adiantado os visitantes (39′).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)