A Mini anunciou que a produção e comercialização do seu primeiro veículo eléctrico, o Cooper SE com carroçaria de três portas, arrancará até final de 2019, sendo que este não será efectivamente o primeiro modelo da Mini movido por um motor eléctrico alimentado por bateria. Isto porque em 2009 a marca fabricou 500 unidades do que então apelidou Mini E para vender especificamente na Califórnia.

Não há muitos dados sobre o Cooper SE, apesar de existirem indícios que a marca britânica do Grupo BMW apontará um pouco mais acima no que respeita à capacidade da bateria, o que lhe irá assegurar uma autonomia mais interessante. Como o Observador informou, o novo eléctrico foi apanhado recentemente numa sessão fotográfica nos EUA, pelo que já se conhecem as suas formas e pormenores, pelo menos ao nível da carroçaria. Mas nada é ainda oficial, uma vez que as fotos definitivas apenas serão divulgadas mais tarde.

Para provar que o Mini tem força mais que suficiente para impressionar mesmo os condutores mais exigentes, a marca inglesa organizou uma demonstração muito especial, que registou em vídeo, durante a qual o Cooper SE rebocou 150 toneladas. Atrelado a um Boeing 777 da Lufthansa, o Mini eléctrico arrastou o monstro alado durante uns metros.

Este tipo de habilidade representa um esforço notável, tendo já sido realizada anteriormente, sobretudo por jipes. Curiosamente, se é relativamente fácil de puxar 150 toneladas com um veículo que possua redutoras, para proteger melhor a embraiagem – o ponto mais frágil perante a necessidade – é ainda mais fácil realizar a operação com um veículo eléctrico, desde que este possua a força necessária para realizar a manobra. Equipado, ao que tudo indica, com o motor e baterias do BMW i3S, o Cooper SE puxou o Boeing 777, com a vantagem de não possuir embraiagem ou caixa de velocidades, apoiando-se num motor que fornece praticamente toda a sua força desde a primeira rotação.