Rádio Observador

MotoGP

Com um dedo partido, Miguel Oliveira fica em 16.º e fora dos pontos no GP de Itália

Fim de semana difícil em Itália para o piloto português, que saiu de penúltimo, partiu um dedo da mão ao cair no aquecimento e não conseguiu mais do que um 16.º lugar, que não lhe deu pontos.

O piloto português saiu do penúltimo lugar da grelha

Getty Images

A qualificação para o Grande Prémio de Itália não correu bem a Miguel Oliveira. O piloto português não conseguiu mais do que o 22.º lugar, o penúltimo do pelotão, e arrancou em Mugello algo mais longe do objetivo sempre palpável de alcançar pontos. A ideia de que este fim de semana não era propriamente o fim de semana do piloto natural de Almada ficou confirmada já no warm up, quando caiu logo no início da sessão e foi obrigado a ir buscar a segunda moto às boxes, terminando no último lugar do aquecimento. Na queda, Oliveira partiu o dedo anelar da mão esquerda e adivinhava-se uma prova difícil.

Mas na corrida, como já nos mostrou, Miguel Oliveira é um talento que ainda não tinha tido igual em Portugal e que começa agora a conquistar espaço no panorama internacional. Mesmo arrancando na penúltima posição da grelha, o português da KTM Tech 3 galgou vários lugares logo nas primeiras curvas e conseguiu saltar para 19.º. As voltas seguintes foram mais difíceis para o piloto, que caiu novamente para 21.º, mas uma saída de pista de Valentino Rossi (que abandonou algumas voltas depois) e Joan Mir acabou por ajudar Oliveira a regressar ao 19.º lugar.

Lá mais à frente, Marc Márquez tinha a pole-position e logo depois estava Fabio Quartararo e Danilo Petrucci. O atual campeão do mundo segurou com esforço a liderança nas primeiras voltas mas acabou por perdê-la na volta 5, quando foi atacado por um pelotão de perseguição composto por Petrucci, Andrea Dovizioso, Jack Miller e Alex Rins. As voltas seguintes foram uma autêntica montanha russa no topo da classificação, com Dovizioso, Petrucci e Rins a trocarem entre si o primeiro lugar e Márquez, nesta altura já claramente melhor do que Miller, a tentar recuperar tempo para voltar a lutar pela vitória no GP de Itália.

Lá atrás, Miguel Oliveira foi beneficiando das quedas e dos abandonos de alguns pilotos do pelotão — Syahrin, Bagnaia, Miller — e solidificando um ritmo que ainda não tinha tido durante toda a corrida, acabando por conseguir colar-se a Johann Zarco e ultrapassar o francês, passando para 15.º, posição que já lhe dava um ponto. O piloto da KTM Tech 3 ainda rodou muito perto de Karel Abraham, tornando-se possível chegar aos dois pontos, mas uma redução de dinâmica e velocidade durante duas voltas acabou por permitir a ultrapassagem de Andrea Iannone: Miguel Oliveira caiu para 16.º, penúltimo lugar, e ficou fora dos pontos no GP de Itália.

No topo da classificação, numa luta pela liderança que durou até à reta da meta, Danilo Petrucci conseguiu garantir a primeira vitória da carreira no Grande Prémio do país de origem, Marc Márquez ficou no segundo lugar e Dovizioso encerrou o pódio, com a Ducati a conseguir colocar dois pilotos nos três primeiros em Muggelo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)