Rádio Observador

Aeroportos

Sindicato dos inspetores do SEF exige ao Governo que ponha “a ANA na ordem”

O Sindicato dos inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras exigiu ao Governo que ponha a gestora de aeroportos "ANA na ordem", para que os inspetores tenham "condições aceitáveis" de trabalho.

O sindicato refere que há 10 anos havia 120 inspetores no aeroporto de Lisboa e que "agora são 280"

Miguel A. Lopes/LUSA

O Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) exigiu este domingo ao Governo que ponha a gestora de aeroportos “ANA na ordem” para que os inspetores tenham “condições aceitáveis” de trabalho.

Em comunicado, o sindicato SCIF/SEF acusa a Vinci Airports, que detém a ANA Aeroportos, de não atribuir aos inspetores do SEF no aeroporto Humberto Delgado “salas condignas para as suas refeições, restringindo-lhes as áreas comuns, mantendo as mesmas salas de entrevistas e as mesmas instalações sanitárias do tempo em que o trânsito aeroportuário era um terço do atual”.

O sindicato refere que há 10 anos havia 120 inspetores no aeroporto de Lisboa e que “agora são 280”.

Os franceses do grupo Vinci, bem como os serventuários nacionais que para eles trabalham na administração, são os mesmos responsáveis que prejudicam o país desde que têm a concessão dos aeroportos portugueses”, acusa o SCIF/SEF.

Aponta ainda que “a Vinci fez com que a ANA tenha resistido, até há poucos meses, a fazer os investimentos a que estava contratualmente obrigada para a construção de um novo aeroporto em Lisboa. Só com muito custo o Governo português os pôs a cumprir a sua obrigação”.

O Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras refere que a ANA não criou espaços adequados ao controlo de passageiros, “vingando-se dos inspetores do SEF através de instalações que não lhes concedem e das dificuldades que lhes criam”, pelo que “não tolera este comportamento”.

Nesse sentido, “se o Governo não puser a ANA na ordem e se não garantir aos inspetores do SEF condições mínimas para que estes exerçam o seu trabalho em condições aceitáveis de eficiência e de dignidade mínimas, o SCIF/SEF irá recorrer a todos os meios legais de luta sindical ao seu dispor para defender os seus associados”.

A ANA é a empresa responsável pela gestão de 10 aeroportos em Portugal Continental (Lisboa, Porto, Faro e Terminal Civil de Beja), na Região Autónoma dos Açores (Ponta Delgada, Horta, Santa Maria e Flores) e na Região Autónoma da Madeira (Madeira e Porto Santo).

A posição do sindicato acontece na véspera de o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, presidir à receção aos 45 novos inspetores estagiários do SEF no aeroporto de Lisboa.

Após dois meses de formação teórica, 45 dos 67 estagiários iniciam, agora, uma nova fase formativa, em exercício tutelado de funções, permitindo um reforço naquela estrutura aeroportuária nos meses de maior fluxo de passageiros, de junho a setembro.

Desde abril que estes 45 novos elementos estavam em estágio no âmbito do concurso interno para a admissão de inspetores da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)