O Banco Mundial aprovou o financiamento de um projeto de nutrição e saúde na República Democrática do Congo (RDCongo), no valor de 502 milhões de dólares (448,7 milhões de euros), noticiou esta segunda-feira a imprensa local.

De acordo com a rádio Okapi, que emite na RDCongo ao abrigo da missão das Nações Unidas naquele país, o financiamento inclui um crédito de 246 milhões, mais um subsídio de 246 milhões da Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA) e uma doação de 10 milhões do Mecanismo de Financiamento Global(GFF).

As províncias de Kwilu, Kasai Central, Kasai e Kivu do Sul serão as beneficiárias deste projeto multissetorial que visa reduzir a prevalência de baixa estatura, fornecer serviços comunitários e de atenção primária à saúde e nutrição, além de fornecer serviços de planeamento familiar.

Citado pela Radio Okapi, o diretor de operações do Banco Mundial para a RDCongo, Jean-Christophe, disse que este projeto nutricional, voltado para áreas de maior necessidade, “é o maior e mais ambicioso já financiado pelo Banco Mundial”, num país como a RDCongo, “onde seis milhões de crianças ainda sofrem de desnutrição”.

O responsável acrescentou que a luta contra a desnutrição é “um compromisso de longo prazo”, considerando que se trata do “melhor investimento que as autoridades podem fazer”.

Espera-se que o Projeto Multissetorial de Nutrição e Saúde beneficie 1,5 milhões de mulheres grávidas e lactantes e 2,5 milhões de crianças menores de cinco anos, além de mais de 200.000 mulheres em idade reprodutiva, através de serviços de planeamento familiar.

“Este projeto irá melhorar o estado nutricional e físico das crianças beneficiadas, bem como o seu desenvolvimento cognitivo. Em última análise, ajudará a aumentar a produtividade desses futuros adultos para melhorar os níveis salariais e de rendimentos de indivíduos e famílias e acelerar o crescimento no país”, afirmaram Hadia Samaha e Jakub Jan Kakietek, líderes de equipa do projeto no Banco Mundial.