Rádio Observador

Casa Real

Carlota Casiraghi. O casamento, os vestidos e a homenagem a Grace Kelly

371

O Mónaco assistiu este sábado a mais um casamento real, agora entre Carlota Casiraghi e o realizador de cinema Dimitri Rassam. Os vestidos da noiva e a homenagem a Grace Kelly marcaram a cerimónia.

Os três vestidos que Carlota usou foram os grandes protagonistas da cerimónia, e evocaram a figura e a elegância da avó, Grace Kelly

Getty Images

Depois de três anos de namoro e um filho, Balthazar, de sete meses, Carlota Casiraghi e o realizador francês Dimitri Rassam decidiram casar-se no sábado, a 1 de junho, no Palácio Grimaldi, no Mónaco, afastando os rumores de crise no relacionamento.

Os vestidos que Carlota usou foram os protagonistas da cerimónia, e sobretudo uma homenagem à sua avó Grace Kelly. E apesar dos visuais dignos de uma princesa, a verdade é que não faltaram momentos de descontração e informalidade: o catering incluiu pizza e gelado e a festa diurna terminou com o noivo a ser atirado para a piscina.

No sábado, dia do casamento civil, a noiva usou um vestido curto desenhado por Anthony Vaccarello para Saint Laurent. Com uma cor cinza pérola e rosa pó, esta escolha revelou-se um pouco mais leve do que o modelo criado por Helen Rose para o casamento da sua avó. Em 1956, Grace Kelly optou por uma silhueta ‘new look‘, em voga em 1956, e Casiraghi escolheu uma saia curta. O mais original do primeiro vestido da noiva são os três laços do corpo e as mangas compridas, marcando as referências ao vestido da sua avó. Carlota completou o visual com uns sapatos prateados.

Para a cerimónia noturna, em La Vigie, no palácio de Karl Lagerfeld no Mónaco, Carlota optou por um vestido branco de cetim marfim com os ombros a descoberto. O decote, com um efeito cruzado, lembra o vestido que Grace usava no filme “Ladrão de Casaca”, de 1955, e assim como a sua avó, utilizou o cabelo apanhado. O glamour clássico que envolve a história da família foi, sem dúvida, uma escolha prioritária para Carlota, de 32 anos, a namorar com Rassam há cerca de dois. Ele tem 37 anos e é filho da atriz Carole Bouquet.

Mas, sem dúvida, a grande homenagem foi a joia da família que Carlota decidiu utilizar, a gargantilha de Cartier, ao estilo art decó que inclui três fileiras de diamantes. Depois de ter brilhado no decote de Gracy Kelly, foi a neta, filha da princesa Carolina, a dar nas vistas com esta peça de joalharia icónica. Uma réplica da mesma peça foi usada por Nicole Kidman no filme de “Grace do Mónaco”, em 2014.

Por último, o vestido azul. Carlota não o usou na celebração, mas colocou uma ilustração no convite de casamento. O visual remonta a 2011, quando foi Casiraghi posou para Maria Testino, numa produção de moda para a Vogue Paris.

A noiva pode ter sido o centro das atenções, mas não foi a única a lançar charme durante uma noite de festa à beira mar. Enquanto a princesa Carolina, mãe da noiva, optou por um vestido comprido, preto e branco, e com um amplo decote, da Chanel (na segunda parte da festa) a mãe do noivo, Carole Bouquet escolheu uma criação da mesma maison, em amarelo pastel, para a cerimónia. Bianca Balti em Dolce & Gabbana, Tatiana Santo Domingo vestida de cor de rosa, Margherita Missoni e Beatrice Borromeo em Dior também estiveram entre as convidadas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pais e Filhos

Um pai do século XXI

David Gaivoto

Ao longo da minha experiência enquanto pai tenho também aprendido que por vezes são eles que nos educam, por vezes são eles que nos apelam à nossa consciência com a sua gigante e preciosa inocência

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)