Rádio Observador

Alimentação

E se as frutas e os vegetais congelados forem tão ou mais saudáveis que os frescos?

Por norma, frutas e vegetais destinados a serem congelados são colhidos no seu ponto alto nutricional, garantindo que toda a qualidade é preservada. Será esta uma opção tão saudável quanto os frescos?

Lisa Drayer, nutricionista e autora, defende num artigo publicado na CNN que as frutas congeladas podem ser tão saudáveis quanto as frescas

AFP/Getty Images

É uma ideia que todos temos desde sempre, mas que pode não ser bem como pensamos. E se, afinal, a fruta e os vegetais congelados forem tão saudáveis quanto os frescos, quando são congelados e comidos fora da estação adequada? É esta a opinião que Lisa Drayer, nutricionista e autora, defende num artigo publicado na CNN. “O facto de a fruta ir congelada significa que podem apreciar os frutos vermelhos e pêssegos durante o inverno e significa também menos deterioração, permitindo que se consiga aproveitar os produtos quando estes estão no seu melhor em termos nutricionais”, explicou a autora.

Sem negar que há sempre alguma alteração que ocorre, a nutricionista cita vários estudos que revelam como as frutas e os legumes congelados podem ter tantas ou mais vitaminas quando comparados com os frescos. Um desses exemplos é uma investigação de Ali Bouzari, um cientista de culinária e autor. “Se não podem pagar por um produto fresco ou viver numa área onde um armazém na rua é todo o acesso que conseguem, é importante que as pessoas saibam que o congelamento é uma alternativa viável”, explicou o autor.

O congelamento é a melhor opção quando não se pretende comer as frutas e legumes dentro de um dia ou dois ou quando não há acesso a produtos frescos, explicou a nutricionista, acrescentando que estes alimentos “são colhidos no pico da maturação e depois congelados individualmente e embalados sob nitrogénio”. Esta exposição ao nitrogénio ajuda a preservar os nutrientes que o oxigénio começa a degradar. Além disso, explica Lisa Drayer, e ao contrário das frutas frescas, as frutas congeladas são branqueadas antes e expostas a uma temperatura de água entre os 32 e 35 graus “que destroem enzimas que possam causar a descoloração, o escurecimento e a perda do sabor”.

O branqueamento mantém as cores das frutas razoavelmente verdejantes depois de congeladas e armazenadas — caso contrário, elas podem ter uma aparência acinzentada ou acastanhada”, explicou Gene Lester, fisiologista de plantas e líder do programa nacional do Departamento de Agricultura dos EUA, citado pela nutricionista.

Apesar de ser verdade que, “com o branqueamento, pode perder-se até 50% da vitamina C” destes alimentos, a boa notícia é que os alimentos “que são colhidos para serem congelados são, normalmente, colhidos no pico da sua maturação, onde são mais ricos em nutrientes quando comparados com os que são destinados a serem vendidos frescos e que são colhidos numa fase menos madura, menos densa em nutrientes”.

A autora destaca ainda a perda de nutrientes das frutas e vegetais frescos quando têm de ser transportados num camião durante alguns dias e depois colocados num armazém antes de chegar a uma mercearia convencional. “Aqui, a perda de nutrientes em produtos frescos ocorre como resultado da exposição ao oxigénio durante o transporte e armazenamento”, explicou.

A mesma situação acontece com os feijões, revela Mario G. Ferruzzi, professor do Departamento de Alimentos, Bioprocessamento e Ciências da Nutrição da Universidade da Carolina do Norte. “Quando se compara feijões frescos numa loja com feijões congelados, os congelados são quase sempre mais ricos em nutrientes porque foram colhidos e processados no ponto mais alto de qualidade e, depois, congelados como forma de preservação”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)