Na final da Champions deste ano, o Liverpool foi mais forte e ganhou de forma expressiva sobre os seus conterrâneos do Tottenham. O jogo teve lugar em Madrid, no campo do Atlético, mas quem foi nomeado pela UEFA para entregar o troféu foi o brasileiro Roberto Carlos, hoje com 46 anos, que se tornou uma estrela em Espanha durante os 11 anos em que defendeu as cores do Real de Madrid.

A final da Liga dos Campeões é um evento à escala mundial, contando com cerca de 200 milhões de telespectadores que segue cada passe, finta, remate e golo nos quatro cantos do mundo. Como seria de esperar, os patrocinadores pagam verdadeiras fortunas para ter direito a associar o seu nome ao da Champions, como foi o caso da Nissan.

O construtor japonês, hoje com uma imagem muito associada a veículos eléctricos, colocou à disposição da organização uma generosa frota de automóveis, de forma a assegurar o transporte de convidados dentro da capital espanhola, sem contribuir para a poluição do ambiente. Daí que 363 veículos Nissan alimentados a bateria, entre Leaf e o furgão e-NV200, tenham percorrido cerca de 220.000 km durante a semana que antecedeu o grande jogo.

Além da frota, a marca nipónica foi mais longe e organizou a viagem de Roberto Carlos, entre a Porta do Sol e o Estádio Metropolitano, a bordo de um eléctrico muito especial: um veículo de competição, o Leaf Nismo RC – uma versão mais baixa, larga e aerodinâmica do Leaf à venda nos standes da Nissan. O Nismo RC monta dois motores eléctricos, um por eixo, qualquer um deles com 163 cv, o que soma um total de 326 cv, um valor interessante para um modelo que pesa apenas 1.220 kg, fruto da carroçaria em fibra de carbono.