Rádio Observador

Exposições

MAAT apresenta primeira exposição antológica de Vasco Araújo

Pintura, escultura, instalação, vídeo e fotografia constituem a exposição "Momento à parte", que assinala os 20 anos de carreira do artista Vasco Araújo e poderá ser vista até dia 9 de setembro

A exposição "Meia-Noite", de Mariana Caló e Francisco Queimadela, será inaugurada no mesmo dia

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A primeira exposição antológica do artista plástico Vasco Araújo vai ser inaugurada na terça-feira, a par de uma performance inédita intitulada “Libertas”, no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa, anunciou esta segunda-feira a instituição.

No mesmo dia, o MAAT inaugura também a exposição “Meia-Noite”, com um conjunto de obras de Mariana Caló e Francisco Queimadela, na qual são exploradas diversas tecnologias de visão noturna, num contexto da fase de transição da noite para o dia.

Para assinalar os 20 anos de carreira do artista Vasco Araújo, o MAAT apresenta “Momento à parte”, uma exposição que reúne um conjunto de obras de pintura, escultura, instalação, vídeo e fotografia.

A exposição inclui, desde o primeiro filme que realizou na escola Maumaus, “O Carteiro Toca Sempre Duas Vezes” (2000), até trabalhos inéditos que realizou especialmente para o MAAT.

Com curadoria de Inês Grosso e Ana Cristina Cachola, a exposição inclui trabalhos que recorrem a referências literárias, históricas e culturais, como a mitologia greco-romana ou a música erudita, com um enfoque particular no género operático, que tem marcado a carreira do artista.

O público poderá ver a vídeo instalação “Sabine/Brunilde” (2003) que realizou no contexto da exposição da 3.ª edição do Prémio Novos Artistas da Fundação EDP, do qual foi vencedor.

Nascido na geração de artistas no pós-25 de Abril, Vasco Araújo irá mostrar o percurso de uma obra original que tem passado por vários museus do país, nomeadamente a Fundação Calouste Gulbenkian e o Museu de Lisboa.

No dia da inauguração da exposição, acontecerá, pelas 19:00, a performance “Libertas – da condição do homem livre”, que marcará, de forma poética, a abertura da exposição.

Mais de 200 pessoas juntar-se-ão para cantar o “Coro Dos Escravos Hebreus”, da ópera “Nabucco”, de Giuseppe Verdi, fazendo o percurso que se inicia com uma travessia do Rio Tejo, e prossegue pela frente ribeirinha, até à Praça do Carvão da Central Tejo.

Este coro improvisado resulta das inscrições da população realizadas durante o mês de maio, num ´open call´ realizado pelo MAAT, e os participantes cantarão em conjunto com o Coro Sinfónico Lisboa Cantat.

O título da exposição remete para um antigo recurso teatral, atualmente em desuso, mas utilizado no teatro renascentista − o aparte –, através do qual a personagem partilha com o público uma confidência, segredo ou comentário em voz alta, de acordo com um texto divulgado pelo MAAT.

“Momento à parte” é também o título de uma das obras produzidas especialmente para esta exposição, que espalha, pelo espaço do museu, o som de um riso que pode ser “contagiante, incontrolável, ensurdecedor, assustador”, aponta o museu, citando a curadora Ana Cristina Cachola.

Ainda segundo a curadora, “o riso que se lê, vê e ouve nas diversas componentes de ‘Momento à parte’ – a peça – materializa esta distância empática que mostra que a intimidade é política, a voz é corpo e a ficção não é um momento à parte da vida”.

No âmbito da exposição, será ainda lançado um livro com ensaios inéditos produzidos pelas curadoras da exposição e pelo curador e crítico de arte brasileiro Ivo Mesquita, incluindo ainda um conjunto de reflexões de personalidades ligadas às artes visuais e performativas, à história e à literatura e que, ao longo das últimas duas décadas, têm acompanhado de perto o percurso do artista.

A exposição “Meia-noite”, de Mariana Caló e Francisco Queimadela, que é inaugurada também na terça-feira e abre ao público no dia seguinte, com curadoria de Filipa Ramos, “situa-se, simbolicamente, na fase de transição da noite para o dia, momento em que, no imaginário popular, as relações entre vários seres e mundos são porosas”.

Mariana Caló e Francisco Queimadela desenvolvem uma prática pluridisciplinar e multifacetada e criam instalações que combinam filmes, vídeos e imagens fixas com outros suportes, como o desenho, a pintura e a escultura.

Foram finalistas do Prémio Novos Artistas Fundação EDP em 2013.

As suas obras “interrogam as possibilidades da pesquisa artística como metodologia de produção de conhecimento, situando-se num espaço onde o lógico e o ilógico, o empírico e o teórico, o animal e o humano, o pessoal e o universal são indistinguíveis”, segundo o museu.

As preocupações ambientais e o interesse pelo diálogo entre o biológico, o vernacular e o cultural são elementos recorrentes no seu trabalho.

Nesta exposição, apresentam um novo corpo de trabalho feito especificamente para este projeto expositivo e em diálogo com a arquitetura industrial do espaço Cinzeiro 8.

À entrada, duas projeções sincronizadas justapõem cianotipias de plantas a imagens de animais realizadas a partir de sequências captadas com iluminadores infravermelhos de videovigilância e posteriormente transferidas para filme de 16 milímetros a preto-e-branco.

As duas exposições ficam patentes até 09 de setembro no MAAT.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)