Rádio Observador

Ensino Superior

Nova é a escola portuguesa mais bem colocada no top de formação de executivos do Financial Times

592

No ranking mundial do Financial Times para formação de executivos, a escola portuguesa ficou em 45º lugar (e no top 23 europeu). A Católica entrou três lugares abaixo, em 48º (25º a nível europeu).

A Nova School of Business and Economics é a escola mais bem colocada no top do Finantial Times

TIAGO PETINGA/LUSA

O ranking de formações de executivos do jornal Financial Times de 2019 inclui três escolas de gestão portuguesas. A mais bem colocada é a Nova School of Business and Economics (Nova SBE) que, este ano, ocupa o 45.º lugar a nível global. Comparativamente às restantes instituições de ensino europeias, a Nova SBE ficou em 23.º lugar. Já no ranking mundial dos chamados programas customizados para empresas, ficou em 52.º, subindo dez lugares em relação a 2018. Nas inscrições livres, manteve o 57.º lugar.

Este resultado é uma progressão natural da dedicação coletiva de pessoas e organizações pioneiras, focadas na mudança transformadora e no impacto sustentável”, afirmou o diretor da Nova SBE, Daniel Traça, citado pelo Expresso.

A nível europeu, a Católica Lisbon School of Business & Economics também conseguiu entrar para o top 25, ocupando precisamente o 25.º lugar. A nível mundial, ficou três lugares abaixo da Nova — na 48.ª posição –, descendo oito posições face ao ano anterior. Há dois anos (2017), ocupava a 43ª posição da lista que avalia as credenciais de escolas de todo o mundo na área de formação de executivos.

Em comunicado enviado às redações, a diretora da Católica-Lisbon School of Business & Economics para a área da Formação de Executivos, Céline Abecassis-Moedas, garantiu estar ciente de que a instituição tem de continuar a melhorar todos os anos: “Temos uma posição forte e a consciência que precisamos de continuar a inovar numa perspetiva de melhoria contínua. É fundamental continuarmos a apostar na orientação para o cliente, isto é, estarmos constantemente atentos às necessidades das empresas, e dos mercados, e assim oferecermos serviços de formação alinhados com essas necessidades”.

Ao mesmo tempo é fundamental trazer ideias novas ao mundo empresarial através de uma educação inovadora. É nessa perspetiva que, nos próximos meses, lançaremos novos programas em temáticas como Inteligência Artificial, Blockchain e Responsible Business”, acrescentou ainda.

A Porto Business School (PBS) também conseguiu entrar para o ranking do Financial Times, mas apenas na oferta de programas de formação de executivos para empresas. Nesta tabela, subiu, em 2019, 11 lugares, ocupando atualmente a 64.ª posição. Nos programas abertos, ficou em 76.º. Segundo o Expresso, a PBS foi ainda referida no parâmetro das parcerias internacionais, graças à associação com algumas das escolas mais bem classificadas do mundo, como a IMD (Suíça), a London Business School (Inglaterra) ou a Fundação Dom Cabral (Brasil). Neste ranking, a escola portuense ficou em 34.º em 80.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)