Rádio Observador

Ambiente

França quer proibir a destruição de produtos novos não vendidos

307

A medida faz parte de um ambicioso plano de "economia circular" que ainda está em fase de elaboração, mas já tem datas propostas. Se aprovada, a partir de 2023 será proibido destruir artigos novos.

ANDRÉ MARQUES / OBSERVADOR

O objetivo é proibir aquilo que o primeiro-ministro Francês considera uma “aberração ecológica”. “É um desperdício que choca”, afirmou Edouard Philippe e recordou que “as questões do ambiente não são de amanhã, do futuro, são de hoje”.

Depois de, em 2016, ter proibido que os supermercados locais deitassem fora a comida que não era vendida, a França prepara-se agora para tentar dar um passo mais além.

O objetivo é proibir a destruição de todos os artigos novos que não são vendidos. E por artigos novos entenda-se: eletrodomésticos, produtos de cosmética, assessórios de moda, brinquedos… Enfim, tudo o que possa imaginar daquelas coleções que são descontinuadas e desaparecem das prateleiras das lojas.

“Embora saibamos que temos de fazer uma correta utilização dos recursos naturais este desperdício choca”, acrescentou o primeiro-ministro gaulês.

Esta medida, que ainda não foi votada, mas que integrará um plano mais alargado e ambicioso de economia circular pretende obrigar as marcas a reciclar os produtos, a doá-los, ou a vendê-los a preços mais baixos numa “perspetiva mais social”.

Ainda que não tenha sido aprovada, a proibição foi já divulgada com datas: para os produtos que já têm um projeto de recolha e reciclagem o limite é 2021, para os restantes 2023 será o fim da sua destruição. Serão quatro anos para readaptar as quantidades de artigos produzidos ou para arranjar uma forma de os reaproveitar na sociedade.

“Evitar o excesso de produção e a destruição, protegendo o ambiente” é o objetivo do executivo francês que dá o exemplo do que aconteceu com a implementação da lei de 2016 relativa aos bens alimentares. Nos primeiros meses o número de doações a instituições “explodiu”, mas a tendência foi de diminuição ao longo do tempo, tendo os produtores adaptado a quantidade de produção para evitar as perdas.

“Podemos encontrar um modelo económico viável, mas garantindo que os produtos que não são vendidos não sejam eliminados, mas sim doados, a fim de desenvolver a economia social e solidária”, concretizou o primeiro-ministro francês salientando que é a “primeira vez no mundo” que se faz uma tentativa deste tipo.

“Uma nova etapa na nossa economia e decidimos avançar muito rapidamente” onde o objetivo “não é apenas impedir a destruição de objetos novos”, mas também “lutar mais a montante contra a superprodução de bens”.

Há vários casos de marcas de luxo que queimam milhões de euros em produtos ao longo de anos. De acordo com os dados, a quantidade de produtos destruídos tem aumentado anualmente. No caso da Burberry em 2013, por exemplo, foram incinerados 6 milhões de euros em produtos da marca, cinco vezes menos que em 2017.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpenela@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)