Foi numa reunião camarária que, após uma intervenção da vereadora socialista Odete Patrício a propósito do investimento público por parte da autarquia, Rui Moreira enumerou alguns exemplos daquilo que o executivo tem feito nessa matéria e avançou com datas: o Parque Oriental estará pronto daqui a um mês e o Pavilhão Rosa Mota fica concluído a 20 de setembro, disse o presidente da Câmara Municipal do Porto.

Em janeiro, os responsáveis pelo projeto esclareciam em comunicado que as obras começaram no final de 2017 e iriam estar concluídas no primeiro semestre de 2019, sendo que a apresentação pública do projeto estava prevista para fevereiro, algo que não aconteceu.

O mesmo comunicado referia ainda que “o projeto resulta de um investimento de oito milhões de euros por parte do consórcio constituído pelas empresas Lucios e PEV Entertainment – que venceu o concurso público internacional lançado pela Câmara Municipal do Porto, em 2014.”

O novo Super Bock Arena – Pavilhão Rosa Mota terá capacidade para acolher até oito mil pessoas em eventos culturais, desportivos e empresariais de grandes dimensões.

O pavilhão situado nos Jardins do Palácio de Cristal, tal como o conhecemos hoje, foi construído no início dos anos 50 do século XX, após demolição do edifício original. Em 1952, ainda com a abóbada incompleta, e já com o nome de Pavilhão dos Desportos, acolheu o Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins. Em 1991, em homenagem aos feitos alcançados pela atleta portuense Rosa Mota, alterou o seu nome para Pavilhão Rosa Mota.

Em setembro de 2014, a Câmara Municipal do Porto anunciou a abertura de um concurso público internacional para reabilitar e explorar o Pavilhão Rosa Mota. Dois anos depois foi aprovada a entrega da reabilitação e gestão do Pavilhão Rosa Mota ao consórcio “Porto 100% Porto” por um período de 20 anos, mantendo-se os Jardins do Palácio de Cristal e restantes equipamentos sob a alçada do município.