Rádio Observador

Tribunal de Contas

Tribunal de Contas recusou vistos a contratos com valor de 182 milhões em 2018

Valor de despesa recusada subiu mais de 50% no ano passado. Tribunal destaca aumento significativo de processos de concessões e parcerias público privadas (PPP) de grande complexidade.

Inácio Rosa/LUSA

O Tribunal de Contas recusou visto a 54 processos de contratos e gastos públicos no valor de 182 milhões de euros no ano passado, o que representa um aumento em número (mais 38%) e em valor (mais de 50%) face ao ano anterior. Este valor, segundo comunicado da organização liderada por Vítor Caldeira, representa contudo apenas 2% dos processos visados e 3% do valor de despesa pública controlada em 2018.

O órgão de auditora externa da despesa do Estado controlou 1300 entidades que estavam envolvidas em cerca de 250 mil milhões de euros de despesa pública e fiscalizou previamente 2600 atos e contratos remetidos por mais de 500 entidades com um volume financeiro de 5.356 milhões de euros, revela o relatório de atividades, divulgado esta quarta-feira.

Um dos contratos que teve o chumbo do Tribunal de Contas foi relativo a uma parceria público privada (PPP) rodoviária, a alteração do subconcessão da Algarve Litoral. Outro teve que ver com a alterações ao contrato do SIRESP (redes de emergência).

No comunicado, a instituição a destaca o “os instrumentos jurídicos de grande complexidade, com as concessões as PPP” e que no ano passado aumentaram significativamente, 55%, representando 30% do montante controlado.

O documento revela ainda um aumento muito significativo no valor das reposições de verbas ordenadas pelo tribunal na sequência processos por infração financeira. Essas reposições totalizaram 846 mil euros no ano passado, muito mais que os 17 mil euros do ano anterior. O valor das coimas aplicadas atingiu os 111 mil euros, sendo de destacar que houve pagamentos voluntários antes do julgamento de 28 mil euros.

No ano passado, o Tribunal de Contas concluiu 49 processos por responsabilidades financeiras, e dos 14 casos foram objeto de julgamento, houve 13 condenações.

Para além da fiscalização preventiva, o chamado visto prévio, a atividade do Tribunal passa ainda pela fiscalização concomitante, depois de efetuada a despesa, tendo sidos realizadas 57 auditorias. A instituição validou mais de 500 contas de entidades públicas, tendo recusado validar 28 situações de entidades da administração local e regional.

A instituição destaca ainda a evolução positiva do grau de acolhimento das recomendações efetuadas, que se situou nos 61%.

Em termos estratégicos, o Tribunal de Contas pretende evoluir para um paradigma de controlo mais “transversal”, dando prioridade a temas como demografia e alterações climáticas. No ano passado começou também a ser preparada a reformulação da lei de organização e processo do Tribunal com o objetivo de a modernizar e adequar “às novas realidades”.

Corrigida a data no título. 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)