Rádio Observador

Incêndios

Disponíveis 33 meios aéreos de combate a incêndios dos 60 previstos

João Gomes Cravinho diz que nunca Portugal teve tantos meios aéreos para o combate aos fogos. Faltam no entanto três helicópteros ligeiros do Estado e 35 aviões adicionais alugados este ano.

Está também disponível um helicóptero da Força Aérea que será ativado em caso de necessidade

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O ministro da Defesa Nacional disse esta quarta-feira que estão atualmente disponíveis 33 meios aéreos de combate a incêndios florestais e “dentro de dias” vão estar operacionais mais seis aeronaves, garantindo que existem condições para dar resposta às necessidades.

“Neste preciso momento temos mais meios aéreos que alguma vez tivemos a 5 de junho. São atualmente 33 e serão 39 dentro de dias. Em nenhum outro momento, na primeira quinzena de junho, tivemos meios semelhantes”, disse João Gomes Cravinho, na Comissão de Defesa Nacional, numa audição pedida pelo PSD sobre a falta de aeronaves para o combate aos fogos.

A Diretiva Operacional Nacional (DON), que estabelece o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), prevê para o mês de junho a operação de 60 meios aéreos, incluindo um helicóptero da Força Aérea que será ativado em caso de necessidade para coordenação aérea, mas só 33 estão atualmente operacionais.

Os meios aéreos que ainda não estão aptos a voar para a época de fogos são os três helicópteros ligeiros do Estado e as 35 aeronaves adicionais alugadas este ano, que estão a aguardar pelo visto do Tribunal de Contas ou têm processos judiciais pendentes.

O ministro da Defesa avançou que estão atualmente em curso providências cautelas referentes a cinco lotes, estando um processo no tribunal de Loulé e os restantes em Lisboa.

Entretanto, o Governo fez ajuste diretos para a contratação de 16 meios aéreos. “Estamos em condições de dar resposta este ano às nossas necessidades”, garantiu o ministro, sublinhando que Estado “tudo fará para colocar a tempo” os meios aéreos necessários ao serviço da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

O governante assegurou que o Estado “procederá ao ajuste direto” em caso de necessidade. João Gomes Cravinho frisou também que o Estado português com o Código de Contrato Públicos tem “uma enorme dificuldade em colocar todos os meios que quer num determinado momento ao serviço”.

João Gomes Cravinho considerou que o Código de Contrato Público coloca o Estado “à mercê dos interesses de empresas”, que são quase sempre as mesmas e que ao longo dos anos “se digladiam e se entendem entre si para fazer gato sapato do Estado e gato sapato também dos interesses do país”.

O ministro acusou ainda o PSD de ter colocado a questão dos meios aéreos de combate a incêndios como um dos assuntos da campanha das eleições europeias. “Houve uma manifesta piromania eleitoral em algumas abordagens”, disse.

Em resposta, o deputado do PSD Duarte Marques afirmou que atualmente deviam estar operacionais 60 meios aéreos, mas estão 33, o que “é lamentável”. “Este assunto não vem à baila por causa da campanha eleitoral, morreram mais de 100 pessoas. Pelo segundo ano consecutivo o Governo falha na contratação de meios aéreos, chegamos ao início de junho e o Governo nem metade dos meios aéreos tem operacionais. Ainda por cima tem a leviandade de dizer que há mais meios que em anos anteriores”, afirmou Duarte Marques, criticando o Governo por ter iniciado os concursos em janeiro, uma vez que devem começar a ser feitos com um ano de antecedência.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)